UOL Notícias Fotos

Casos solucionados com exames de DNA

Casos solucionados com exames de DNA

20/05/2011

Informações sobre o álbums
  • editoria:Geral
  • galeria: Casos solucionados com exames de DNA
  • link: http://noticias.uol.com.br/album/110520_casosdna_album.jhtm
  • totalImagens: 10
  • fotoInicial: 10
  • imagePath: http://n.i.uol.com.br/ultnot/album/
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:direita
  • timestamp: 20110523202516
Fotos
<b>Caso Voo 447 da Air France</b> - Os resultados dos testes para extrair o DNA dos ossos das duas vítimas resgatadas do voo AF 447 da Air France foram positivos, afirmou a direção-geral da polícia militar francesa. Com isso, além da identificação dos dois primeiros corpos resgatados, a polícia vai resgatar os demais corpos que estão no mar. <br> Veja alguns casos solucionados na Justiça com ajuda do exame de DNA AP/Força Aérea Mais
<b>Osama bin Laden</b> - Após matar o líder da rede terrorista Al Qaeda, Osama bin Laden, os EUA confirmaram sua morte no dia seguinte, após o exame de DNA. Segundo informações oficiais, o exame foi feito comparando o DNA com a meia-irmã do terrorista, por parte de mãe. Ela morreu nos EUA e teria deixado material genético no hospital Rahimullah Yousafzai/AP Mais
<b>Caso Leicester</b> - Foi o primeiro caso no qual o DNA foi aceito em uma Corte de Justiça como evidência de um crime. Graças ao exame foi possível identificar o autor de dois crimes hediondos - estupros seguidos de mortes de duas adolescentes - utilizando o sêmen coletado nas vítimas e no sangue do suspeito. Os crimes ocorreram em dois vilarejos do condado de Leicester, no Reino Unido AFP Mais
<b>Crimes da ditadura argentina</b> - Em 2010, o governo da Argentina usou o DNA para identificar milhares de pessoas sequestradas e assassinadas durante a violenta ditadura do país, entre 1976 e 1983. O objetivo é permitir que os corpos, que durante todo esse tempo permaneceram em caixotes, sejam recolhidos pelas famílias e enterrados, três décadas depois dos assassinatos cometidos pelo próprio governo Marcela Fae/Folhapress Mais
<b>Homicídio em Nova York</b> - Em 1986, Samuel Quentzel foi morto a tiros dentro de seu carro, em Long Island, Nova York (EUA). Mais de 20 anos depois, em 2010, graças aos avanços na tecnologia de identificação de DNA, o detetive encarregado do caso, Tom Goodwin, conseguiu solucionar o crime, com ajuda das pontas de cigarro que recolheu do local na época. Lewis Slaughter, hoje com 61 anos, foi condenado por assassinato em segundo grau Eduardo Knapp/Folha Imagem Mais
<b> Serial killer de Los Angeles</b> - John Thomas Jr., 72, foi condenado em 2009 por crimes cometidos há décadas passadas graças ao exame de DNA. Jr. foi preso em março de 2009, acusado de violentar e asfixiar duas idosas em Los Angeles, em 1972 e 1976, depois que seu DNA foi encontrado nas cenas dos crimes. Na época, não havia tecnologia para comparar o material recolhido. Ele teria feito mais de 30 vítimas, sendo considerado o maior serial killer de Los Angeles Alexandre Campbell/Folhapress Mais
<b>Crime em Los Angeles </b> - Uma série de dez assassinatos ocorrida nos anos 80, em Los Angeles, só teve desfecho em 2010, com ajuda dos exame de DNA. Ao investigar outro caso, os policiais encontraram um DNA parecido com o do suspeito dos crimes em 1980. Na época, apesar de coletar o DNA, a polícia não tinha pistas do suspeito. Usando o DNA recente, a policia descobriu que se tratava de um parente do criminoso. Foi o primeiro caso em que o DNA de um filho foi usado para prender um pai Pierre-Philippe Marcou/AFP Mais
<b>Caso Tyson</b> - A Justiça britânica usou o DNA de um cachorro para resolver o assassinato de um adolescente. Chrisdian Johnson, 23, usou seu cão para perseguir e atacar Oluwaseyi Ogunyemi, de 16 anos, antes de matá-lo a facadas, em 2009. A partir do exame de DNA do sangue encontrado no local do crime e na vítima, a polícia provou que o cão de Johnson participou do assassinato. Foi o primeiro caso em que a Justiça britânica usou o DNA de um cão para resolver um crime BBC Mais
<b>Fritzl argentino</b> - Um argentino de 62 anos foi preso, em novembro de 2010, acusado de estuprar a própria filha, com quem teve 10 filhos. A prisão só foi possível graças ao exame de DNA. O caso foi chamado de a versão argentina para o de Josef Fritzl, que durante 24 anos manteve a filha no porão de sua casa em Amstetten, na Áustria Getty Images Mais
<b>Crime no Texas</b> - Johnny Pinchback [de branco na foto] só pode ser inocentado de um crime que não cometeu após um exame de DNA. Ele foi preso, acusado abusar sexualmente de duas adolescentes, em 1984. Com o exame, ele foi inocentado, em uma audiência realizada no dia 12 de maio deste ano. Ele foi o 22ª preso a ser libertado com base em exames de DNA, em Dallas Tony Gutierrez/AP Mais

Últimos álbuns publicados

Hospedagem: UOL Host