Informações sobre o álbums
  • editoria:Geral
  • galeria: Epidemias que marcaram o Brasil e o mundo
  • link: http://noticias.uol.com.br/ciencia/album/090505epidemias_album.htm
  • totalImagens: 16
  • fotoInicial: 15
  • imagePath: http://cs.i.uol.com.br/album/
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:direita
  • timestamp: 20120313170523
    • Ciência [45097];
Fotos
Varíola
Fila para vacinação contra <b>varíola</b> em hospital no Bronx, bairro de Nova York, EUA, em 1947. O vírus causador dessa doença começou a afetar os humanos há milhares de anos. Apesar da criação de uma vacina, em 1796, a epidemia da varíola continuou e o vírus matou dois milhões de pessoas em 1967. Nesse mesmo ano, OMS fez campanha para erradicar o vírus por meio de vacinações em massa. Como resultado, 1977 marcou o último caso de varíola que ocorreu naturalmente. AP Mais
Gripe espanhola
Vítimas da <b>gripe espanhola</b> lotam setor de emergência de hospital no Kansas, EUA, em 1918. A doença, causada pelo vírus influenza H1N1, matou cerca de 20 milhões de pessoas em questão de meses, logo após a Primeira Guerra Mundial. A epidemia desapareceu em um ano, quando o vírus mudou para outras formas menos fatais. AP/National Museum of Health Mais
Peste negra
Pintura de 1656 representa um médico usando roupa e máscara de proteção contra a <b>peste negra</b>, também chamada de peste bubônica. Considerada a primeira doença verdadeiramente pandêmica, a peste negra matou metade da população da Europa, em 1348, e dizimou partes da China e da Índia. Causada pela bactéria <i>Yersinia pestis</i>, a doença ainda pode representar um problema em áreas pobres e infestadas por ratos. HowStuffWorks Mais
Malária
O mosquito <i>Anopheles aquasalis</i>, vetor da <b> malária</b>. Há registros do impacto dessa doença há mais de 4 mil anos. Hoje em dia, a malária está espalhada por mais de 100 países, afeta cerca de 300 milhões de pessoas e causa 1 milhão de mortes por ano. Mais de 90% dos casos ocorrem na África tropical. No Brasil, os casos se concentram na região amazônica. Arquivo Folha Imagem Mais
Tuberculose
Diretores da Felasp (Federação de Entidades de Luta Antituberculose de São Paulo) examinam cartaz de propaganda e lançamento do selo de campanha, em São Paulo (SP), em 1957. A <b>tuberculose</b> causou grande impacto na humanidade e destruiu populações. Houve, inclusive, evidências de DNA da bactéria em múmias egípcias. Apesar dos antibióticos, que surgiram em 1944, a doença ainda mata cerca de 2 milhões de pessoas por ano. Arquivo Folha Imagem Mais
Cólera
Mãe dá injeção para reidratar o filho com <b>cólera</b>, na África do Sul, em 2000. A Índia sempre conviveu com os perigos da doença, mas somente após o século 19 o resto do mundo a conheceu, quando navios mercantes passaram a propagar a bactéria. A transmissão ocorre principalmente por água e alimentos contaminados. Em 1961, uma nova cepa da cólera surgiu na Indonésia e a pandemia resultante continua até hoje. Em 1991, a cólera debilitou cerca de 300 mil pessoas e matou 4 mil. AP/Cobus Bodenstein Mais
Aids
Laço vermelho é colocado em prédio no centro de São Paulo (SP) para lembrar o Dia Mundial de Luta contra a <b>Aids</b>, em dezembro de 2003. O surgimento da doença, nos anos 80, levou a uma pandemia mundial, que já matou mais de 25 milhões de pessoas. No Brasil, estima-se que a Aids mate 30 pessoas por dia. O modo de transmissão, no entanto, é mais lento que o de outras pandemias, já que envolve contato com sangue, sêmen e outros líquidos do corpo. Jefferson Coppola/Folha Imagem Mais
Febre amarela
Passageiros fazem fila para receber a vacina da <b>febre amarela</b> no aeroporto de Goiânia, em 2008. Os primeiros registros da doença, provocada por mosquito, são da época em que europeus começaram a trazer escravos da África para as Américas. A doença chegou a matar 29 mil homens do exército de Napoleão Bonaparte. Apesar da vacinação, dos procedimentos de tratamento aprimorados e do controle do mosquito, as epidemias da doença persistem até hoje na América do Sul e na África. Arquivo Folha Imagem Mais
Foto de 1945 mostra um soldado britânico pulverizando uma prisioneira recém-libertada de um campo de concentração - medida necessária para combater o tifo epidêmico. Essa doença causou milhares de mortes. Durante a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648), na Europa, o tifo, a peste e a fome atingiram cerca de 10 milhões de pessoas. HowStuffWorks Mais
Poliomelite
Elvis Presley posa para foto ao lado de menino vítima da <b>poliomelite</b>, em 1959. Por volta de 1952, estima-se que houve 58 mil casos da doença apenas dos EUA - 1/3 dos pacientes estava paralisado. Desses, mais de 3 mil morreram. Com o aperfeiçoamento da vacina, a polio foi praticamente erradicada no mundo. No Brasil, o último caso foi registrado em 1989, segundo o Ministério da Saúde AP Mais
Gripe asiática
Funcionários municipais do gabinete do prefeito de São Paulo Adhemar de Barros, em 1957, recebem as primeiras doses da vacina contra <b>gripe asiática</b>. Em 1957, cerca de 2 milhões de pessoas morreram no mundo em consequência da doença, originada na China. Esse tipo de influenza era causada pelo vírus A H2N2. Arquivo Folha Imagem Mais
Gripe de Hong Kong
Poster ensina a vestir corretamente a máscara para proteção contra o vírus da atual gripe suína em Hong Kong, em abril deste ano. Em 1968, a região vivenciou uma das maiores pandemias do século, conhecida como <b<gripe de Hong Kong</b>, quando o vírus H3N2 matou cerca de 1 milhão de pessoas no mundo. AP Photo/Kin Cheung Mais
Gripe aviária
Agentes de saúde recolhem amostra de sangue de galinha na China, em 2004. Em 1997, Hong Kong comunicou a descoberta de uma cepa virulenta da <b>gripe aviária</b>. O vírus H5N1 atingiu aves domésticas na maior parte do Sudeste da Ásia, provocando centenas de mortes desde então. Mas a gripe aviária ainda não pode ser categorizada como pandemia, pois o vírus não causou, por enquanto, a transmissão da doença de humano para humano de forma contínua. AFP Mais
SARS
Os primeiros casos de <b>Sars (síndrome respiratória severa aguda)</b> surgiram em novembro de 2002, na província de Guangdong, na China. Um total de 8.422 casos prováveis foram relatados em 29 países diferentes durante o surto. Aproximadamente 916 pessoas morreram. De acordo com a OMS, o último elo de transmissão humana foi quebrado no começo de julho de 2003. Mas dois casos confirmados foram anunciados recentemente. AP Photo/Richard Vogel Mais
Dengue
Menino é atendido por médico militar em tenda montada pela Aeronáutica por causa da epidemia de <b>dengue</b>, no Rio de Janeiro, em 2008. Só este ano, a doença, provocada por vírus transmitido pelo mosquito <i>Aedes Aegypti</i>, contaminou mais de 161 mil pessoas. Na Bahia, ao menos 47 pessoas morreram. Vale lembrar que ainda não existe vacina para prevenção da dengue. AFP/Antonio Scorza Mais
Gripe suína
Pessoas protegem o nariz e a boca com máscaras em fila de hospital na Cidade do México, em 24 de abril deste ano. A <b>gripe suína</b>, ou influenza A (H1N1), fez a OMS a lançar um alerta de pré-pandemia. Até o dia 7 de maio, foram registradas 44 mortes. Os primeiros casos da doença no Brasil foram confirmados em 7 de maio. AP Photo/Dario Lopez-Mills Mais

Epidemias que marcaram o Brasil e o mundo

Veja mais: VÍRUS E A EVOLUÇÃO , DEZ PIORES EPIDEMIAS , UOL CIÊNCIA E SAÚDE

ÚLTIMOS ÁLBUNS DE UOL CIÊNCIA



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos