Remédios para aliviar sintomas da dengue devem ser indicados pelo médico

Da Redação

Não existe tratamento específico para combater o vírus da dengue. O próprio sistema imunológico do paciente fica encarregado dessa função. O tratamento visa, portanto, amenizar os sintomas (febre e dor) e evitar possíveis complicações da doença.

A dengue clássica, sem sinal de alarme, demanda apenas tratamento ambulatorial. "A pessoa precisa tomar entre dois e três litros de líquidos, água ou soro", enfatiza Gustavo Johanson, infectologista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Mesmo nesses casos, é fundamental o acompanhamento médico periódico.

Após um atendimento inicial, a pessoa pode permanecer em casa, em repouso, mas atenta a qualquer sintoma novo ou persistente. Muitas vezes, uma falsa sensação de melhora, com a diminuição da febre por volta do quinto dia, é seguida por uma piora. "Na prática, a pessoa não volta ao médico porque não está mais com febre, o que é um erro", salienta Edimilson Migowski, infectologista da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Nos casos de dengue hemorrágica e de síndrome do choque da dengue, o paciente precisa ser internado. "Ele recebe hidratação endovenosa e, se necessário, são administrados hemocomponentes (plaquetas e plasma) para auxiliar na interrupção dos sangramentos", explica Johanson.

Quando não tratado, o choque pode evoluir para acidose metabólica e sangramentos graves nos órgãos, levando à morte de 12 a 24 horas depois.

O uso de medicação para alívio da febre e da dor, em todos os casos, só deve ser feito com orientação médica. "Não existe nenhum medicamento estudado especificamente em pacientes com dengue", lembra Migowski. Por isso, o uso de antitérmicos precisa ser criterioso.

O ácido acetilsalicílico é contra-indicado, já que dificulta a coagulação do sangue, gerando ou intensificando os sangramentos. Já a utilização do paracetamol é controversa. "A pessoa não deve fazer uso abusivo desse fármaco. Em adultos, sua dose tóxica gira em torno de 3 gramas ao dia", informa Andrea D'Ávila Freitas, infectologista da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro).

Segundo Migowski, a dipirona e o ibuprofeno podem ser uma opção, ainda que não isenta de riscos, mas só devem ser ministrados com indicação de um médico.

Ainda que não deixe seqüelas, o cansaço e a fadiga resultantes da dengue podem permanecer alguns dias após o fim dos sintomas. A infecção pelo vírus da doença provoca imunidade permanente contra o sorotipo que causou a infecção e imunidade temporária (entre dois e três meses) para os demais tipos do vírus.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos