Ovo faz bem ou mal? Veja mitos e verdades sobre comida e coração

Da Redação

O ovo já não é mais o vilão de antes. Após uma ampla pesquisa feita na Universidade de Harvard, nos EUA, os médicos chegaram à conclusão que comer uma unidade por dia não é nenhum pecado. Até porque a proteína desse alimento é de altíssima qualidade.

No entanto, o privilégio não é para todo mundo. "Quem possui colesterol alto ou já sofreu algum evento coronariano, como infarto, deve controlar o consumo, sim", esclarece a nutricionista Laila Ghtait. Para essas pessoas, a cota é de duas gemas por semana, que podem ser preparadas com uma quantidade maior de claras, ricas em albumina.
 

Arquivo Folha Imagem
O ovo deixou de ser o vilão de antes, após novas pesquisas. Mas quem tem colesterol alto ou já teve infarto não deve comer mais do que duas gemas por semana
VEJA MAIS MITOS E VERDADES
DEZ ALIMENTOS AMIGOS DO CORAÇÃO
VINHO TINTO OU SUCO DE UVA?

A especialista, uma das consultoras do livro "Comida que Cuida 3 - Receitas e histórias para você fazer as pazes com o seu coração" (faça o download gratuitamente), afirma que a carne vermelha é outro item que deve ser consumido moderadamente por quem possui fatores de risco para o coração. Mas também não adianta abolir todas as carnes do cardápio e achar que nunca mais vai ter problemas de colesterol. "Os queijos, principalmente os amarelos, também possuem gordura saturada", lembra.

Reduzir o tamanho e a frequência do bife nas refeições é, segundo a nutricionista, a maior dificuldade dos pacientes. "Por uma questão de cultura, o brasileiro acha que a carne é o item principal do prato e não o complemento", comenta.

Como explica o livro, a carne vermelha é rica em vitamina B, ferro e niacina, componente aliado no combate ao colesterol. A recomendação é diminuir a quantidade e limitar a frequência para três vezes por semana. Além disso, é fundamental evitar as porções fritas e tirar toda a gordura aparente.

Veja outros mitos e verdades sobre dieta e saúde do coração:

Tomar café faz mal ao coração
MITO. A cafeína estimula o funcionamento do organismo e a memória. Estima-se que alguns de seus componentes, como os ácidos clorogênicos, os quinídeos e a vitamina B3, são ótimos antioxidantes. Alguns estudos indicam até que a bebida ajude a reduzir a incidência de diabetes tipo 2. Mas não se pode abusar. Até quatro cafezinhos por dia é o limite recomendável. Quem sofre do coração, no entanto, deve consultar o médico.

Junto com o cigarro, o café vira veneno
VERDADE. O cafestol e o kahweol, substâncias encontradas no café, podem aumentar os níveis de colesterol total e do colesterol ruim, o LDL.

Carne de porco deve ser abolida da dieta
MITO. Se a carne de porco for magra, como é o caso do lombo e toda gordura aparente for retirada, não há qualquer contraindicação. Mas linguiça e bisteca, por exemplo, são carnes ricas em gordura.

Chocolate amargo traz benefícios para o coração
VERDADE. Os chocolates recheados, doces e cremosos devem ser riscados da rotina. Mas os amargos são recomendados: quatro pedacinhos de uma barra por dia ajudam a prevenir o colesterol e proteger o coração. O alimento tem fenilalanina e tirosina, dois aminoácidos ligados ao bem-estar. Além disso, os flavonóides do cacau ajudam a reduzir a pressão arterial e controlar a glicose no sangue.

Vinho tinto é ótimo para a saúde cardiovascular
VERDADE. O consumo moderado do álcool pode proteger o coração, segundo diversas pesquisas. Mas o vinho tinto, assim como o suco de uva, são ricos em flavonóides e outros antioxidantes que aumentam o bom colesterol, o HDL, e afinam o sangue. O limite considerado seguro é uma taça por dia para mulheres e duas para os homens. E atenção: quem tem nível alto de triglicérides não pode beber nada.

Tomar suco de beringela com laranja de manhã é bom para baixar o colesterol ruim
MITO. Não há nenhuma comprovação científica de que essa mistura ajude a reduzir o colesterol. O que reduz é seguir uma dieta equilibrada e saudável, com poucas gorduras, e fazer exercícios regularmente.

Óleos vegetais ajudam a reduzir o colesterol VERDADE. O azeite extravirgem, rico em gorduras monoinsaturadas, ajudam a reduzir o colesterol ruim (LDL) sem baixar o HDL, que é bom para o coração. Outros óleos vegetais, como o de canola, e margarinas que contêm gorduras poliinsaturadas também são saudáveis. Mas lembre-se que toda fritura faz mal.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos