Tocar o paciente pode fazer toda a diferença em uma consulta médica

Por Danielle Ofri*
The New Ylrk Times

  • Getty Images

    O toque é inerentemente humanizador e, para que uma relação médico-paciente tenha qualquer significado além de uma interação comercial, é preciso haver confiança

    O toque é inerentemente humanizador e, para que uma relação médico-paciente tenha qualquer significado além de uma interação comercial, é preciso haver confiança

Uma nova paciente chega ao meu consultório, uma saudável mulher de meia-idade. A assistente médica já registrou sua pressão sanguínea normal. De nossos 15 minutos agendados, passo mais de dois terços conversando com ela.

Pergunto sobre seu histórico médico pessoal e familiar. Pergunto sobre seu estilo de vida: que tipo de trabalho ela faz, se fuma, quanto pratica de exercícios, se ela come cinco porções de frutas e vegetais por dia. Reviso sua “manutenção de saúde”: se ela está em dia com mamografias, papanicolau, vacinas.

Pressiono nos minutos finais, aconselhando sobre cálcio, filtro solar, cintos de segurança. Busco por sinais de depressão, violência doméstica. Lembro-a sobre a vacina contra a gripe, colonoscopia. Entrego folhetos sobre alimentação saudável e exercícios, e conversamos sobre formas de encaixar atividades físicas em seu emprego sedentário.

Então, me parabenizo por um trabalho bem feito. Cobri todos os tópicos relevantes. Toquei em todos os fundamentos da medicina preventiva para uma mulher saudável. E consegui até mesmo acabar na hora certa, para não deixar o próximo paciente esperando.

Porém, minha paciente tem no rosto uma expressão estranha. Ela parece perguntar: “É só isso?”

Realmente, durante nossa longa discussão (e o exame de pressão inicial), nós completamos todas as intervenções médicas que as evidências científicas validaram como úteis para um paciente saudável. Mesmo assim, minha paciente está claramente insatisfeita. Uma consulta ao médico não é uma consulta ao médico até que um estetoscópio tenha sondado os ritmos internos do coração, ou até que mãos profissionais tenham apalpado a barriga. Pesquisas mostraram que os pacientes sempre esperam um exame físico.

Mas existe alguma pesquisa mostrando que um exame físico – numa pessoa saudável – traz qualquer benefício? Apesar de uma longa e célebre tradição, o exame físico é mais um hábito do que um método clinicamente comprovado de encontrar doenças em pessoas assintomáticas. Existem poucas evidências para sugerir que ouvir rotineiramente os pulmões de todas as pessoas saudáveis, ou pressionar seus fígados, encontrará uma doença que não houvesse sido sugerida pelo histórico do paciente. Para uma pessoa saudável, uma “descoberta anormal” num exame físico tem mais chances de ser um falso positivo do que um sinal real de doença.

Além disso, um exame físico normal não pode assegurar a um paciente que não existe nenhuma doença à espreita nas sombras.

Mas o exame físico serve a qualquer outra proposta? O relacionamento médico-paciente é fundamentalmente diferente, por exemplo, da relação entre contador e cliente. O toque das mãos coloca os praticantes de medicina longe de seus correspondentes do mundo dos negócios. Apesar da invasão da medicina baseada em evidências, imagens de ressonância magnética, angiografias e exames PET, há claramente algo de especial, talvez até mesmo de cura, no toque. Existe um calor de conexão que substitui qualquer fator intelectual, e essa conexão atinge os dois lados do relacionamento médico-paciente.

Nós temos apenas mais alguns minutos em nossa consulta, mas a levo até a maca de exame. Coloco minha mão em seu ombro e passo meu estetoscópio por suas costelas. Enquanto escuto o fluxo de ar (que tenho 99,9% de certeza estar perfeitamente normal), sinto os corpos de nós duas relaxar levemente.

Levo a base do estetoscópio até seu coração e, mesmo sabendo haver uma chance minúscula de ouvir qualquer som indicando uma doença grave, os ritmos familiares confortam meus ouvidos. Enquanto examino seu abdômen, continuamos conversando – mas com uma troca perceptível na forma de nossa interação.

A natureza polida e profissional de nossa conversa inicial se derreteu. Não importa como chegamos a esta sala, a estas posturas, a esta conexão, agora somos mais íntimas. Mesmo se nossa conversa inicial tivesse sido marcada por frustração ou raiva, o timbre de nossa interação teria se suavizado. É quase impossível ficar irritado ou seco quando pele está tocando pele.

Talvez esse seja o centro da questão. O toque é inerentemente humanizador e, para que uma relação médico-paciente tenha qualquer significado além de uma interação comercial, é preciso haver confiança – das duas partes. Como já foi provado em maternidades e intuído pela maioria dos médicos, enfermeiras e pacientes, uma das maneiras mais básicas para estabelecer confiança é através do toque.

Me arrepio sempre que a administração do hospital se refere a médicos e enfermeiras como “provedores de saúde”. Esse termo sempre me fez sentir como uma máquina de refrigerantes no Burger King. Eu não sou uma “provedora”; sou uma pessoa, uma médica. E minha paciente não é uma “cliente”. Nós não estamos fazendo negócio.

É por isso que a consulta ao médico nunca parece completa sem um exame físico. Ele é parte essencial da relação médico-paciente, que não pode ser subestimada. E ninguém precisa de um estudo cientifico para provar isso.
 

* Danielle Ofri é médica em Nova York

 

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos