Saiba qual a diferença entre infusão e decocção

Chris Bueno
Especial para o UOL Ciência e Saúde

Os apreciadores de chás têm razão quando dizem que o modo de preparo do chá é fundamental. Isso é o que vai determinar não apenas o sabor, mas também os efeitos medicinais do chá. Certas plantas perdem seu valor terapêutico dependendo do modo como são tratadas para serem vendidas.

“É importante destacar que os efeitos benéficos ou indesejáveis dos chás dependem da adequada indicação, modo de preparo, dose, uso da planta correta (é muito comum o uso de plantas que não foram corretamente identificadas) e até mesmo a forma como a planta foi cultivada e colhida”, aponta André Gonzaga dos Santos, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp (Universidade Estadual Paulista).

Para aproveitar bem os benefícios de qualquer planta medicinal, a primeira regra é ter certeza do que se está adquirindo. Muitas plantas medicinais são parecidas (aspecto das folhas, por exemplo) com plantas que não possuem nenhum efeito. Além disso, o manuseio da planta até o ponto de venda deve ser bem controlado e feito dentro de critérios de qualidade, uma vez que as etapas de secagem e moagem da planta, por envolverem aquecimento, podem reduzir ou até mesmo eliminar o efeito benéfico esperado.

Quanto ao preparo, é importante esclarecer que há dois modos básicos: a infusão e a decocção. Na infusão, a água é aquecida até ponto de fervura (quando começam a se formar bolhas no fundo da chaleira), então a água quente é vertida sobre a planta e a mistura fica em repouso por alguns minutos, de preferência tampada. Esta técnica é geralmente aplicada para preparação de chás de folhas, flores e frutos moídos e preserva o óleo essencial.

Já na decocção, as partes da planta são fervidas junto com a água por alguns minutos. Esta técnica é aplicada geralmente para o preparo de chás das cascas, raízes ou pedaços de caule, que por serem mais duros precisam de um método mais rigoroso para a extração para a água dos compostos benéficos presentes na planta. Para se obter o efeito esperado, é preciso seguir qual o modo indicado de preparo do chá escolhido.

Existem também extratos de plantas produzidos por laboratórios que comercializam produtos fitoterápicos. Esses extratos podem ser encontrados em duas formas: o extrato seco ou as tinturas (quando na forma líquida com um teor mínimo de extrato dissolvido em uma mistura de água e etanol). “Tanto as tinturas como os extratos secos são mais concentrados em princípios ativos do que o chá, uma vez que a planta é extraída em sistemas fechados que permitem a retirada total dos seus compostos, o que não ocorre no preparo caseiro do chá”, explica Ruiz.



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos