Registros de focos de incêndio aumentam 330% no país em relação a 2009

Raquel Maldonado
Do UOL Notícias
Em São Paulo

O total de registros de focos de incêndio em todo o território nacional cresceu 330% entre o início de janeiro e ontem (12), em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados são de levantamento com bases em dados colhidos pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) do satélite Aqua.

Entre 1º de janeiro e 12 de agosto de 2009, ocorreram 5.814 notificações de incêndios. No mesmo período de 2010, o instituto contabilizou 24.991 focos de incêndio. O índice de focos de incêndio é o maior desde 2005, quando, no mesmo período, houve um total de 28.988 registros de queimadas no país.

Segundo o Inpe, é preciso frisar que ao fazer uma comparação utilizando um período longo de tempo como este é possível que ocorram distorções, uma vez que de um ano para outro as condições climáticas, como nebulosidade, por exemplo, não são as mesmas. Este fator acaba impossibilitando uma comparação exata das ocorrências.

Além disso, o Inpe utiliza diversos radares com características diferenciadas. Normalmente, o instituto usa como referência o Noaa-15, porém desde o dia 30 de junho este radar está com limitações na cobertura dos Estados do Acre, Amazonas, Amapá, Rondônia, Mato Grosso e Pará - pegando exatamente a área mais atingida pelos incêndios atualmente. Por isso, seguindo a indicação de um técnico do próprio Inpe, a reportagem utilizou dados do radar Aqua que possibilitaria uma comparação mais precisa.

Segundo Luiz Souza, meteorologista do Cptec (Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Inpe), o clima seco deste ano propicia mais risco de queimadas. “As baixas umidades relativas do ar e as altas temperaturas aumentam, sem dúvida, as chances de queimadas”.

Incêndio destrói 80% das empresas de Marcelândia (MT)

  • Moradores que perderam suas casas e seus empregos pedem doação de utensílios e eletrodomésticos; veja onde doar

O Estado campeão até aqui em número de focos de incêndio é Mato Grosso, com 5.970 focos, um acréscimo de 648% com relação ao ano anterior (no mesmo período). Em seguida aparecem Pará (4.814, aumento de 503%), Tocantins (3.568, aumento de 636%), Maranhão (2003, crescimento de 350%), Piauí (1.630, 684% de aumento) e Bahia (1.431, aumento de 52%).

Em 2009, neste período de 1º de janeiro a 12 de agosto, o Estado da Bahia apareceia em primeiro lugar neste ranking, com 942 focos. Em seguida, vinham Mato Grosso (798), Maranhão (724), Mato Grosso do Sul (503), Pará (485) e Tocantins (445).

No Acre, o governo decretou no início desta semana estado de alerta ambiental devido ao aumento do número de focos de incêndios no Estado: entre janeiro e julho de 2010 foi registrado um incremento de 587% em relação ao mesmo período do ano passado. Só na última semana, o Inpe registrou 83 focos de calor no Estado.

A previsão do Ceptec é que a umidade relativa do ar continue baixa nos próximos dias principalmente no Mato Grosso, Goiás, oeste da Bahia, Tocantins e Pará. Já as regiões sul e oeste do Mato Grosso do Sul terão uma ligeira melhora no ar seco devido à passagem de uma frente fria pelo Estado, porém ainda não há previsão de chuva.

 

Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos