Após cem feridos por ataque de piranhas, balneário no Piauí recebe peixes para conter superpopulação

Aliny Gama
Especial para o UOL Notícias
Em Maceió

Após cem banhistas serem feridos por ataque de piranhas, o principal balneário da região próxima a Teresina, a barragem do Bezerro, no município de José de Freias (PI), a 52 quilômetros da capital, contra-atacou: desde o dia 19 deste mês, 100 mil tilápias foram colocadas na barragem, com o objetivo de atacar e, ao mesmo tempo, serem alimento das piranhas. O objetivo é controlar a superpopulação da espécie no local e garantir que a piranha encontre comida na barragem, sem a necessidade de atacar o ser humano.

No fim de semana retrasado, pelo menos cem banhistas deram entrada no hospital da cidade em busca de atendimento, após mordidas no calcanhar e nos dedos dos pés. Os ataques, que vêm ocorrendo há dois meses, afugentaram o público da barragem, que sempre lota a área nos fins de semana.

Balneário recebe peixes para conter piranhas
Veja Álbum de fotos

Segundo o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), foram colocados alevinos e peixes adultos. “Elas passaram a atacar os banhistas pela ausência dos seus predadores. E como os outros peixes são o alimento da piranha, houve essa busca por comida”, afirmou Romildo Mafra, superintendente do Ibama.

Até novembro, a barragem deve receber mais 200 mil peixes das espécies tucunaré e traíra para que a cadeia volte ao equilíbrio. Durante este período, a pesca na barragem está proibida.

Esta semana, ações de orientação de preservação do meio ambiente foram realizadas às margens da barragem. Nesta quarta-feira (21), estudantes participaram de palestras educativas para orientar os banhistas a não jogarem restos de alimentos na barragem.

Além da introdução dos novos peixes, a Semar (Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Piauí) realizou a pescaria de piranhas durante 40 dias para ajudar na diminuição da espécie na barragem. Segundo o secretário Dalton Macambira, os pescadores cederam 66 redes e coletaram 1.006 piranhas, o que correspondeu a 62% das espécies pescadas. Para Macambira, o resultado apontou para a existência de superpopulação de piranhas na barragem do Bezerro. Após a ação, as piranhas foram distribuídas à comunidade, enquanto os demais peixes foram devolvidos à barragem.

“Os pescadores capturaram piranhas, traíras, flexeiras, cumbaus e apenas dois tucunarés. Esse resultado aponta que a ação do homem, em desrespeito à piracema, desequilibrou o ecossistema da barragem. Agora, com as tilápias na barragem, os ataques tendem a diminuir”, disse.

Pesca predatória
Romildo Mafra, superintendente do Ibama, afirmou ao UOL Notícias que um dos fatores que contribuiu para a superpopulação de piranhas na barragem foi a pesca irregular de tucunarés e traíras, que são predadores naturais dos ovos das piranhas. Os alevinos das duas espécies também servem de alimento para as piranhas, que, devido à superpopulação, estão com alimento escasso.

“As pessoas têm preconceito de se alimentar de piranhas. Além disso, os pescadores não se interessam em pescá-las porque esse tipo de peixe destrói as redes e causam prejuízos. Eles acabam pescando apenas tucunarés e traíras, que trazem o equilíbrio natural da barragem. Sem predador natural, o número de piranhas cresceu”, disse Mafra.

O Ibama informou ainda que a pesca está proibida na barragem. A medida foi tomada para que os alevinos e peixes adultos, que foram colocados no local, possam acabar com os ataques das piranhas.

Segundo o DNOCS (Departamento Nacional de Obras de Combate à Seca), que também participou da ação no Piauí, o peixamento vai não só impedir a ação das piranhas, como gerar mais trabalho para os pescadores da região, já que as tilápias são consideradas um peixe “nobre” no cardápio nordestino.
 

 

Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos