Tragédia em Santa Maria causa indignação na Argentina

Da Agência Brasil

O incêndio que matou e feriu centenas de pessoas na cidade gaúcha de Santa Maria causou indignação na vizinha Argentina, onde um acidente parecido causou 194 mortes há oito anos.

DEPOIMENTOS

Meu filho morreu.
Meu filho morreu!

, diz mãe após ver nome em lista

"Mais uma vez, vemos que a vida dos jovens não é levada em consideração, o que importa é o lucro", disse um comunicado emitido pela organização Que No Se Repita Mas (Que Não Se Repita Mais), formada por sobreviventes e pais de vítimas da tragédia do Cromanon – a boate do centro de Buenos Aires que pegou fogo em 2004.


"Sentimos que a história está se repetindo e que ninguém aprendeu com os nossos erros", disse Eduardo Azevedo, em entrevista à Agência Brasil. Desde que seu filho de 19 anos morreu no incêndio do Cromanon, o advogado tem dedicado o tempo a buscar os culpados para levá-los ao banco dos réus. "É triste reconhecer isso, mas temos muita experiência em lidar com a dor da perda e com a busca e punição dos responsáveis. Vamos colocar nossa experiência à disposição do Brasil".

A Boate Cromanon, que fica a metros da sede do governo de Buenos Aires, continua fechada. Ao lado, foi erguido um altar em homenagem aos mortos e 700 feridos da tragédia. O incêndio ocorreu no dia 30 de dezembro de 2004, quando milhares de jovens assistiam ao show do grupo Callejeros. Minutos depois de começar o espetáculo, soltaram um sinalizador, que provocou um incêndio. Quando os jovens tentaram escapar, descobriram que a porta de emergência estava trancada com cadeado – uma proteção contra penetras, que não pagam entrada.


"As coincidências das duas tragédias são enormes: um show público, em um lugar lotado de gente, sem suficientes saídas para escapar em caso de emergência", disse Azevedo. "No fundo, o culpado é um só, a corrupção. Se os locais noturnos fossem controlados como devem ser, esse tipo de imprevisto não teria consequências tão graves", acrescentou.

Por causa da tragédia do Cromanon, mais de 20 pessoas – entre elas o empresário dono da boate e os músicos do grupo Callejeros, além de funcionários públicos, policiais e bombeiros – foram presos e condenados a penas até dez anos. "O que nos chama a atenção é que cometemos o mesmo erro mais de uma vez", disse Azevedo. Ele lembrou que houve incidente parecido no Peru.

Últimas de Cotidiano

 

Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos