! Brasil, Rússia, Índia, China podem ser o futuro da economia - 25/01/2006 - AFP - Economia
UOL EconomiaUOL Economia
UOL BUSCA


Últimas Notícias  


25/01/2006 - 16h53
Brasil, Rússia, Índia, China podem ser o futuro da economia

DAVOS, Suíça, 25 jan (AFP) - O Brasil, a Rússia, a Índia e a China representarão parte cada vez maior da economia mundial, segundo dois estudos divulgados nesta quarta-feira no Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) de Davos.

"Dos 1.410 empresários entrevistados pelo gabinete de estudos PricewaterhouseCoopers, 71% disseram que suas sociedades têm intenção de desenvolver atividades em pelo menos um destes países", informou um comunicado sobre a enquete, realizada no terceiro trimestre de 2005, com diretores de empresas de 45 países.

"Deles, 78% consideram a China o país mais atraente, seguida da Índia, com 64%, a Rússia, com 48%, e o Brasil, com 46%", continuou.

"Estes países têm uma influência muito maior do que pensávamos", opinou Jim O'Neil, encarregado de pesquisa econômica global da Goldman Sachs.

A Goldman Sachs fez outro estudo levando em conta 13 indicadores como inflação, déficits públicos, dívida, nível de investimentos, além da estabilidade política e nível de inserção da internet no país. Nesse estudo, "a China é a primeira dos quatro, seguida de Rússia, Brasil e Índia", afirmou O'Neil.

Segundo ele, estas quatro nações, em particular o Brasil, "não precisam fazer milagres econômicos, só precisam evitar as crises".

"É válido lembrar que há mais de 30 anos achávamos que o Brasil fosse se igualar rapidamente aos Estados Unidos", antes da crise inflacionária dos anos 80, comentou O'Neil.

Os dirigentes de empresas brasileiras, russas, indianas e chinesas consultados pela PricewaterhouseCoopers, "acreditam que suas vantagem comparativas residem na qualidade e na produtividade de suas respectivas mãos-de-obra, assim como em sua estabilidade política e sua proximidade de mercados de consumo de grande peso".

Para O'Neil, o fato de a China não ser uma democracia é uma vantagem. "Boa parte de seu crescimento é gerado por decisões governamentais e esta é a principal explicação para os melhores resultados da China em comparação com a Índia", opinou. Para a PricewaterhouseCoopers, os grandes empresários preferem a China para "reduzir custos e aumentar suas capacidades".

"A Índia, com seus custos relativamente baixos de mão-de-obra, supera o Brasil e a Rússia como destino para reduzir custos de produção. Mas a Índia é a primeira para os empresários que querem um mercado com mão-de-obra altamente qualificada", indicou o gabinete.