UOL Notícias Notícias
 
26/10/2010 - 16h18

FAO teme efeitos de perda da biodiversidade para segurança alimentar

ROMA, 26 Out 2010 (AFP) -A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) convocou a comunidade mundial a preservar e fomentar a biodiversidade agrícola, pois teme que sua perda ameace a segurança alimentar, destacou em um relatório sobre os recursos fitogenéticos.

O informe, um dos mais completos sobre o tema, é o segundo feito pela FAO e foi divulgado nesta terça-feira, em Roma, sede da entidade.

"A diversidade genética das plantas que cultivamos e que nos servem de alimento e seus 'parentes silvestres' poderia se perder para sempre, ameaçando a segurança alimentar no futuro", afirmam especialistas da agência especializada das Nações Unidas.

É preciso "redobrar os esforços, não só para conservá-las, mas também para utilizá-las, especialmente nos países em desenvolvimento", pediram.

O relatório, de 350 páginas, considera que a perda da biodiversidade "terá grande impacto na capacidade da humanidade se alimentar no futuro".

"Existem milhares de variedades silvestres de cultivos que devem se coletadas, estudadas e documentadas porque escondem segredos genéticos que lhes permite resistir ao calor, à seca, à salinidade, às inundações e às pragas", advertiu o diretor-geral da FAO, Jacques Diouf.

Os especialistas da FAO reconhecem que, depois de doze anos do primeiro informe sobre o estado dos recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura no mundo "o panorama alimentar ao nível mundial mudou de forma drástica".

Embora o informe não tente quantificar a perda da biodiversidade, "a evidência empírica aponta a uma contínua extinção da biodiversidade agrícola que reduz a diversidade dos cultivos alimentares tradicionais que sobreviveram durante o século passado", sustentou.

A FAO calcula que 75% da diversidade agrícola tenha se perdido entre 1900 e o ano 2000.

Um estudo mencionado pelos especialistas prevê que entre 16% e 22% dos parentes silvestres de importantes cultivos alimentares, como o amendoim, a batata e os feijões desaparecerão até 2055 por causa das mudanças climáticas.

"Apenas cinco variedades de arroz fornecem hoje 95% do total da colheita nos principais países arrozeiros", destacaram os especialistas.

Com tom mais positivo, o documento destaca que, durante os últimos 12 anos, "houve um aumento da conscientização" sobre a importância de proteger e utilizar a diversidade genética dos cultivos agrícolas.

"Os bancos de genes viram aumentar seu número e tamanho. Existem hoje cerca de 1.750 bancos de genes em todo o mundo", comentou a agência, destacando que em 2008 se fundou na Noruega a grande reserva da diversidade agrícola mundial, o Depósito Mundial de Sementes de Svalbald.

Do total de 7,4 milhões de amostras conservadas no mundo, os bancos de genes dos governos nacionais conservam 6,6 milhões, 45% dos quais estão em apenas sete países, contra os 12 existentes em 1996, destacou a FAO.

É chave "contar com mecanismos que garantam o acesso a tais recursos", como diz o Tratado sobre os Recursos Filogenéticos para a Agricultura e a Alimentação, destacou a FAO.

O Tratado foi ratificado por 125 países e estabelece um marco para compensar os camponeses pobres pela preservação das diferentes variedades genéticas dos cultivos.

Para as Nações Unidas, que declararam 2010 o Ano Internacional da Biodiversidade, "é necessário estabelecer sistemas adequados para por as nuevas variedades nas mãos dos camponeses através tanto do setor público como de outros atores".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h58

    -0,04
    2,222
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h16

    0,35
    54.785,93
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host