Obamacare: vence prazo para adesão a seguro de saúde nos EUA

WASHINGTON, 31 Mar 2014 (AFP) - Nesta segunda-feira vencia o prazo para que os americanos se associassem a um seguro de saúde como parte da reforma promovida por Barack Obama, que custou ao presidente democrata uma forte queda de popularidade.

A lei, que permitirá que mais de 40 milhões de americanos que não possuíam assistência médica finalmente tenham una, significa uma mudança drástica no setor de saúde do país e será, provavelmente, o maior legado de Obama na política doméstica.

Depois de um lançamento catastrófico, no outono passado (hemisfério norte), do site em que os cidadãos deveriam se registrar até esta segunda, o atraso praticamente foi compensado e as inscrições se aceleraram para superar as seis milhões de adesões até a semana passada, segundo a Casa Branca, um índice próximo da meta inicial de sete milhões para 31 de março.

Uma autoridade de Washington indicou que 27.000 pessoas trabalhavam dia e noite espalhadas por 8.600 centros de saúde comunitários para ajudar nos processos de registro.

A aprovação da reforma foi alvo de intermináveis batalhas entre democratas e republicanos, ferrenhamente contrários à reforma. Os governistas temem que esta lei tenha um custo político para as próximas eleições de metade de mandato, em novembro.

Uma recente pesquisa revelou que o Obamacare continua sendo impopular, com apenas 41% dos consultados concordando com a reforma, contra 53% que se opunham a ela.

Enquanto isso, entre os políticos, 72% dos democratas a aprovam, contra 8% dos republicanos.


Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos