Vídeo mostra tortura de soldados sírios contra rebeldes

Em Beirute

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) divulgou neste sábado (3) vídeos de combatentes partidário ao regime de Bashar al-Assad executando prisioneiros rebeldes com armas automáticas e depois cortando as orelhas das vítimas.

As imagens foram exibidas dois dias depois da divulgação de um vídeo que mostra atrocidades cometidas pelos rebeldes.

Um primeiro vídeo, que segundo o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman, foi filmado em julho na região de Latakia (noroeste), mostra um homem com uniforme militar exibindo uma orelha e uma faca enquanto ri para a câmera.

Um pouco mais longe, sete corpos mutilados aparecem no chão. Aparentemente estão mortos. Em meio a um grupo de homens com trajes militares, um deles se aproxima dos corpos e corta uma orelha com uma faca.

Outro vídeo, com data de fevereiro e filmado em Deraa (sul), mostra indivíduos, alguns com roupas civis e outros com uniforme militar, atirando com armas automáticas contra homens apresentados como rebeldes.

"Estes vídeos foram enviados por militantes depois da divulgação anteontem de um vídeo que mostrava as atrocidades cometidas pelos insurgentes. Desde o primeiro dia da revolução, o regime comete crimes de guerra e crimes contra a humanidade, mas estes crimes não justificam os crimes do outro lado", declarou Abdel Rahman à AFP.

"Se desejamos uma nova Síria democrática e que respeita os direitos humanos, não podemos ficar calados sobre nenhum crime, independente do autor", completou.

Na quinta-feira, o OSDH divulgou na internet um vídeo disponibilizado por militantes no qual rebeldes agridem soldados feridos, antes de alinhá-los no chão e abrir fogo, matando todos. Os militares são chamados de "cães shabihas de Assad", em referência ao nome dado aos milicianos partidários do regime.



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos