UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA



 Internacional

21/06/2005 - 15h29
"Mississippi em chamas": Edgar Ray Killen é considerado culpado

FILADÉLFIA, EUA, 21 jul (AFP) - O ex-líder da Ku Klux Klan (KKK), Edgar Ray Killen, de 80 anos, foi considerado culpado pelo júri, nesta terça-feira, de três acusações de homicídio, coincidindo com o 41º aniversário do assassinato de três ativistas dos direitos civis no Mississipi. Killen, que alega inocência, poderá ser condenado a uma pena que varia de 20 anos à prisão perpétua, mas seus advogados afirmaram que vão recorrer.

O ex-líder da Ku Klux Klan ouviu o veredicto sentado em uma cadeira de rodas e usando um aparelho respiratório que cobriu seu rosto.

Os 12 membros do júri - nove brancos e três negros - se reuniram durante duas horas e meia na segunda-feira, sem chegar a um acordo e reiniciaram suas deliberações nesta terça-feira, chegando ao veredicto de culpabilidade.

Na segunda-feira, após o encerramento das alegações do julgamento iniciado no último dia 13, o juiz Marcus Gordon autorizou a deliberação do júri. Duas horas e meia depois, funcionários da corte disseram que os jurados haviam informado ao magistrado que o resultado de sua discussão tinha dado empate.

Se a divisão persistisse, o juiz poderia ter declarado a anulação do julgamento ou até mesmo a absolvição do réu.

Após a retomada das deliberações, nesta terça-feira, a defesa de Killen pediu a absolvição do pastor batista em suas alegações finais, segundo informações dos funcionários do tribunal.

Killen foi considerado culpado da autoria intelectual do homicídio dos três militantes - os judeus Michael Schwerner, de 24 anos, e Andy Goodman, de 20, e o negro James Chaney, de 21 -, após ter sido absolvido em um julgamento celebrado em 1967, quando uma mulher integrante do júri disse que não poderia condenar Killen por ele ser pastor.

O caso comoveu os Estados Unidos e inspirou o filme "Mississipi em Chamas", de 1988, protagonizado por Gene Hackman e Willem Dafoe.

Dezoito membros da KKK, entre eles Killen, foram denunciados em 1964. Sete foram condenados por um júri totalmente integrado por brancos e sentenciados, em 1967, a penas de prisão entre 3 e 10 anos.

Em 21 de junho de 1964, os três ativistas - Schwerner, Goodman e Chaney -, que faziam campanha pelo registro de negros nas eleições, foram detidos pela polícia sob a acusação falsa de excesso de velocidade e, após serem libertados tarde da noite, foram emboscados por membros da KKK e da polícia. Os corpos dos três jovens, com sinais de espancamento e crivados de balas, foram encontrados 44 dias depois em uma represa, após uma intensa busca do FBI (polícia federal americana).

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA