UOL Notícias Notícias
 

15/06/2008 - 17h38

Brasileiros descendentes de japoneses ajudam desfavorecidos no Japão

HAMAMATSU, 15 Jun 2008 (AFP) - Um século depois que os japoneses emigraram para o Brasil em busca de oportunidades, milhares de seus descendentes brasileiros estão fazendo o caminho de volta para trabalhar e ajudar os mais desfavorecidos na terra de seus ancestrais.

Apesar de finalizar seu turno da noite em uma montadora de automóveis, Hamilton Kawachi, de 50 anos, também trabalha cortando batatas e rabanetes em um modesto apartamento da cidade industrial de Hamamatsu, no centro do Japão.

Kawachi trabalha nesse local todo sábado pela manhã, apesar de saber que não poderá dormir antes da meia-noite. Sai fumaça das panelas de arroz, enquanto Kawachi e dez compatriotas preparam, junto com voluntários japoneses, 200 bolinhos de arroz para servir nas ruas.

"Começo a semana querendo que chegue esse dia", explicou Kawachi, tomando um café brasileiro revigorante. "Posso passar um tempo com meus amigos. Sinto que me dá energia trabalhar aqui".

O Grupo Esperança foi fundado há 14 anos pelo padre católico Evaristo Higa. Quase todos seus beneficiários são japoneses.

"Quando cheguei aqui, 15 atrás, não pensava que haveria tantas pessoas sem teto", explicou Higa, missionário e descendente de japoneses que emigraram para o Brasil.

"Pediram que eu visitasse um brasileiro que vivia na rua porque ele não falava japonês", lembrou. "Surpreendentemente, vi muitos japoneses que viviam na rua. Isso me fez ter essa iniciativa".

Essa instituição de caridade também foi uma surpresa para muitos japoneses, que têm pouco contato com os brasileiros, uma rara minoria em um país considerado homogêneo.

Há 100 anos, quando a pobreza se estendia pelo futuro gigante asiático, os ancestrais de Higa e os outros membros do Grupo Esperança foram para o Brasil, esperando encontrar a terra prometida.

No entanto, o primeiro grupo de 800 japoneses que chegou ao porto de Santos, em junho de 1908, deparou-se com uma vida duríssima de trabalho no campo.

No Brasil, existem atualmente 1,2 milhão de "nikkeis", os descendentes dos japoneses, que constituem a primeira comunidade de origem japonesa fora do Japão.

Kawachi explicou que seu pai tinha apenas 17 anos quando emigrou para o Brasil, saindo da ilha de Hokkaido, no norte do Japão.

"Às vezes, falava do milho e das batatas que cultivava em Hokkaido", lembrou. "Queria voltar para visitá-lo, mas, quando tive a oportunidade, as coisas estavam muito complicadas".

Devido à economia e à falta de segurança no Brasil, cerca de 300.000 "nikkeis" retornaram ao Japão desde 1990, quando Tóquio lhes autorizou a entrada como jornaleiros. Hamamatsu, cidade com mais de 800.000 habitantes, tem o maior número desses imigrantes -são cerca de 19.000 brasileiros.

Kawachi trabalha em uma fábrica da Honda, o segundo fabricante de carros do Japão, para ajudar sua única filha, que estuda no Brasil, a ser dentista.

"Como a economia estava mal no Brasil, planejamos trabalhar aqui alguns anos e voltar depois com nossas economias", contou Kawachi, acrescentando que muitos deles mantêm viva sua identidade brasileira.

"No entanto, não é fácil voltar e mudar de vida rapidamente", afirmou.

Higa explicou que espera que sua igreja mantenha as famílias brasileiras unidas e ajude a melhorar sua imagem entre os japoneses.

"As pessoas no Brasil não são tão ricas, então, elas aprendem a se ajudar", comentou.

Carregando bolas de arroz, sopas de legumes e outras coisas, como sabão e toalhas, Higa e dezenas de membros do Grupo Esperança se dividem em quatro grupos e saem às ruas pela manhã.

Umas 40 pessoas se alinham na passagem subterrânea da principal estação de Hamamatsu, ignorados pela maioria dos pedestres.

Katia Kinoshita, de 35 anos, membro do grupo, reconhece alguns dos que aguardam por eles e os cumprimenta.

"Por favor, comam muito!", diz ela, enquanto entrega cumbucas de sopa.

Mastigando a verdura de sua sopa, um homem de 65 anos se pergunta em voz alta: "por que são sempre os brasileiros que nos ajudam?".

"O governo japonês envia ajuda para todos, mas nunca nos ajuda", completa.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h59

    1,08
    2,549
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h16

    -1,21
    55.406,91
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host