UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 Entretenimento

28/01/2005 - 17h37
Bob Esponja não é nem gay nem heterossexual, diz seu criador

Por Jan Dahinten

CINGAPURA (Reuters) - O criador de Bob Esponja, o personagem que provocou o lançamento de um alerta gay por grupos conservadores cristãos nos Estados Unidos, disse que o bichinho não é nem gay nem heterossexual. Ele é assexual.

Pelo menos dois grupos ativistas cristãos disseram que o personagem Bob Esponja, além de seu melhor amigo, Patrick, estão sendo explorados para promover a aceitação do homossexualismo.

O criador do Bob Esponja, Stephen Hillenburg, 43 anos, declarou que as alegações são exageradas e sem fundamento e que sua agenda não vai além da diversão e do entretenimento.

"Isso não tem nada a ver com o que nós tentamos fazer", disse Hillenburg à Reuters em entrevista na sexta-feira, dois dias antes da estréia asiática de "Bob Esponja -- O Filme", em Cingapura.

"Nunca tivemos a intenção de que Bob Esponja e Patrick fossem gays. Eu os vejo como quase assexuais. Tentamos apenas fazer graça."

O ingênuo Bob Esponja, que vive num abacaxi no fundo do Oceano Pacífico, foi "tirado do armário" pela mídia norte-americana em 2002, depois de relatos de que o programa da TV Nickelodeon e seus produtos associados seriam populares entre o público gay.

O influente radialista evangelista norte-americano James Dobson, cujas principais pautas políticas são a oposição ao casamento homossexual e ao direito do aborto, disse na semana passada que Bob Esponja trazia um discurso "pró-homossexual".

"QUESTÕES MAIS IMPORTANTES"

Bob Esponja é um dos astros de um vídeo musical que será enviados a 61 mil escolas norte-americanas em março. Os criadores do vídeo, a Fundação sem fins lucrativos Nós Somos a Família, diz que o objetivo do trabalho é encorajar a tolerância e a diversidade.

Hillenburg, que antes de trabalhar com animação era professor de ciências marinhas, vive em Hollywood, é casado e tem um filho de 6 anos. Ele afirma pensar que "existem coisas mais importantes com que nos preocuparmos" e afirma que não presta muita atenção à polêmica toda.

Para ele, alegações desse tipo são comuns na história do entretenimento infantil e das histórias em quadrinhos.

"É só pensar em 'O Gordo e o Magro' ou em 'Ernie e Bert"', disse ele, fazendo referência a dois ícones do humor americano. A primeira dupla cômica era dos anos 1930, e a segunda do seriado de TV americano "Vila Sésamo".

Em 1999, os Teletubbies, da Grã-Bretanha, foram mergulhados numa polêmica sexual por um líder religioso americano que avisou aos pais que deveriam ficar alertas a mensagens sutis enviadas por Tinky Winky, um dos quatro personagens andróginos, escolhidos por sua cor roxa e a antena triangular que carregava na cabeça, ambos símbolos do orgulho gay.

A Nickelodeon já criou 60 episódios de "Bob Esponja" desde o surgimento do personagem, em 1996, e está trabalhando sobre outros 20. A rede diz que o seriado é grande sucesso na Indonésia e já foi traduzido para o hindi, o coreano e o japonês.

Hillenburg, que produziu e dirigiu ele próprio o primeiro filme sobre Bob Esponja, empregou astros como Alec Baldwin e Scarlett Johansson para dublar alguns dos personagens, e o ator David Hasselhoff, do seriado "Baywatch", apareceu em pessoa no filme.

ÍNDICE DE ÚLTIMAS NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA

UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
Folha Online Ilustrada
Gael García Bernal diz que está satisfeito com júri em Cannes
UOL News Celebridades
Rede TV 'vence' Record
em horário evangélico

UOL News Cultura
"Coisa Mais Linda" celebra a bossa nova; veja crítica
Monkey News
Buemba! Ronaldo confessa que é chegado numa rabada!