UOL Notícias Fotos

Animais afetados pelo vazamento no golfo do México

Animais afetados pelo vazamento no golfo do México

14/06/2010

Informações sobre o álbums
  • editoria:Geral
  • galeria: Animais afetados pelo vazamento no golfo do México
  • link: http://noticias.uol.com.br/album/100614animaisgolfo_album.jhtm
  • totalImagens: 21
  • fotoInicial: 17
  • imagePath: http://n.i.uol.com.br/ultnot/album/
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20100621212046
Fotos
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Spencer Platt/Getty Images/AFP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Spencer Platt/Getty Images/AFP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Spencer Platt/Getty Images/AFP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Lee Celano/Reuters Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Charlie Riedel/AP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Lee Celano/Reuters Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Charlie Riedel/AP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Bill Haber/AP Photo Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Charlie Riedel/AP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Charlie Riedel/AP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Charlie Riedel/AP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Win McNamee/Getty Images/AFP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote John Moore/Getty Images/AFP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote AFP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote AFP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote AFP Mais
Novas estimativas apontam que o vazamento de óleo no golfo do México pode ser duas vezes maior que o esperado. Se isso se comprovar, o risco a que estão expostos aves, peixes e outros animais da região pode até quadruplicar. Ao todo, mais de 600 espécies estão ameaçadas. Os animais que mais estão em risco são os peixes como o marlim, o peixe-vela e o peixe-espada, além do atum. Entra também na lista, o pelicano-marrom, além dos habitantes das profundezas, do plâncton à baleia cachalote Sean Gardner / Reuters Mais
Foto divulgada nesta segunda-feira (21) mostra grupo de pelicanos adultos aguardando operação de limpeza feita por voluntários no Centro Internacional de Pesquisa e Resgate de Pássaros de Fort Jackson, Louisiana. Mais de 60 dias após o acidente, óleo continua vazando Reuters/Daniel Beltra/Greenpeace Mais
Ave adulta é lavada por voluntários como parte do processo de limpeza no Centro Internacional de Pesquisa e Resgate de Pássaros de Fort Jackson, Louisiana. Mais de 60 dias após o acidente, óleo continua vazando Reuters/Daniel Beltra/Greenpeace Mais
Foto divulgada nesta segunda-feira (21) mostra grupo de pelicanos bebês aguardando operação de limpeza feita por voluntários no Centro Internacional de Pesquisa e Resgate de Pássaros de Fort Jackson, Louisiana. Mais de 60 dias após o acidente, óleo continua vazando Reuters/Daniel Beltra/Greenpeace Mais
Aves são soltas de volta na natureza, no Refúgio Nacional para Vida Selvagem de Aransas. Quase 40 pelicanos foram trazidos para o refúgio cobertos de petróleo. Mais de 60 dias após o acidente, óleo continua vazando The Caller-Times, Steven Alford/AP Mais

Últimos álbuns publicados

Hospedagem: UOL Host