Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/album/2016/04/06/populacao-se-arma-contra-avanco-do-boko-haram-em-camaroes-e-na-nigeria.htm
  • totalImagens: 8
  • fotoInicial: 2
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20160406060000
    • Nigéria [5762]; Camarões [5705];
    • Boko Haram [74842]; Terrorismo [9365];
Fotos

Com o objetivo de evitar que o Boko Haram crie um emirado islâmico na região, tropas de Benim, Camarões, Chade, Níger e Nigéria combatem os jihadistas desde 2015. A forte ofensiva militar contra os insurgentes conseguiu reduzir as áreas de domínio do grupo. Na imagem, soldados camaroneses fazem guarda em Kolofata Joe Penney/Reuters Mais

Os grupos comunitários de vigilância armada são formados por garotos e homens armados com facas, machados, arcos e flechas e revólveres feitos em casa. Esses grupos têm o aval do governo local como forma de apoiar o Exército insuficiente para combater o Boko Haram, que já matou mais de 15 mil pessoas na Nigéria. Na foto, vigilantes civis em Kerawa (Camarões) Joe Penney/Reuters Mais

Apesar da presença militar para combater o grupo radical Boko Haram, o exército camaronês afirma não ter soldados o suficiente para vigiar todas as cidades em que podem acontecer ataques terroristas. As Forças Armadas contam com a ajuda de grupos de vigilância comunitária. Na foto, garotos seguram arcos e flechas em Kerawa (Camarões) Joe Penney/Reuters Mais

Desde que teve início uma forte ofensiva militar contra o Boko Haram, o grupo radical passou a fazer mais ataques contra civis. Em setembro de 2015, duas garotas se explodiram em uma feira em Kerawa (Camarões). O ataque deixou 19 mortos e 143 feridos. Agora, os moradores de Kerawa (foto) começaram a se armar contra ataques do grupo islâmico Joe Penney/Reuters Mais

As mulheres têm sido alvo preferencial do Boko Haram, seja como escravas sexuais seja para serem usadas como mulher-bomba em ataques suicidas, como o ocorrido em Kerawa (foto) em setembro. O grupo radical islâmico está fortemente presente entre a Nigéria e Camarões. No entanto, as Forças Armadas locais tentam combater seu avanço com o apoio de grupos comunitários armados Joe Penney/Reuters Mais

Um membro de vigilantes civis segura uma pistola artesenal em Kerawa (Camarões). As Forças Armadas contam com a ajuda de grupos de vigilância comunitária para combater o grupo radical islâmico Boko Haram, que já fez mais de 15 mil vítimas na Nigéria, país vizinho Joe Penney/Reuters Mais

Desde que teve início uma forte ofensiva militar contra o Boko Haram, o grupo radical passou a fazer mais ataques contra civis. Em setembro de 2015, duas garotas se explodiram em uma feira em Kerawa (Camarões). O ataque deixou 19 mortos e 143 feridos. Na foto, soldados patrulham a cidade de Kerawa Joe Penney/Reuters Mais

Oficial de segurança revista mulher entrando numa clínica de saúde do campo de refugiados de Minawao (Camarões). A região é ameaçada pelo avanço do grupo radical islâmico Boko Haram, que já matou cerca de 15 mil pessoas na Nigéria durante uma campanha de cerca de seis anos para criar um estado fundamentalista islâmico Joe Penney/Reuters Mais

Vigilância comunitária: população se arma contra avanço do Boko Haram na África

Últimos álbuns de Notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos