Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/album/2016/04/22/em-trajes-tipicos-cholitas-escalam-montes-bolivianos-e-sonham-com-o-aconcagua.htm
  • totalImagens: 10
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20160422060000
    • Bolívia [5200];
Fotos

21.abr.2016 - Mulheres indígenas aimarás arrumam o cabelo antes de descer o monte Illimani, nos arredores de La Paz, na Bolívia. Há dois anos, onze delas, que trabalham como carregadoras e cozinheiras em acampamentos de montanhistas, decidiram começar seu próprio grupo de escalada David Mercado/Reuters Mais

21.abr.2016 - Indígenas aimarás se preparam para escalar o monte Huayna Potosi, na Bolívia. A ideia de criar um grupo de escalada composto apenas de "cholitas" surgiu há dois anos quando Lydia Huayllas, 48, que trabalha de cozinheira em um desses acampamentos fez a seguinte pergunta ao marido, o guia de montanha Eulalio Gonzales: "O que você faz lá em cima? Como você se sente lá?". Ele propôs que ela deveria descobrir por ela mesma David Mercado/Reuters Mais

21.abr.2016 - Mulheres indígenas aimarás escalam o monte Illimani, nos arredores de La Paz, na Bolívia. Com idades entre 42 e 50 anos, elas já escalaram cinco montanhas bastante conhecida dos montanhistas: Acotango, Parinacota, Pomarapi, Huayna Potosi e o famoso Illimani, o maior dos cinco. Todos eles ficam a mais de 6.000 metros acima do nível do mar David Mayta/Reuters Mais

21.abr.2016 - As "cholitas" escalam os montes em trajes tradicionais bolivianos -, mas em vez do famoso chapéu-coco usado por elas, elas investem em capacetes e não abrem mão de modernos equipamentos de segurança David Mercado/Reuters Mais

21.abr.2016 - As "cholitas" escalam os montes em trajes tradicionais bolivianos -, mas em vez do famoso chapéu-coco usado por elas, elas investem em capacetes e não abrem mão de modernos equipamentos de segurança David Mercado/Reuters Mais

21.abr.2016 - Mulheres indígenas aimarás descansam no monte Huayna Potosi, na Bolívia, durante escalada. Elas têm uma vantagem em relação aos demais montanhistas estrangeiros: estão acostumadas com as altitudes elevadas das montanhas bolivianas David Mercado/Reuters Mais

21.abr.2016 - Mulheres indígenas aimarás descem o monte Huayna Potosi, na Bolívia, durante escalada. Elas têm uma vantagem em relação aos demais montanhistas estrangeiros: estão acostumadas com as altitudes elevadas das montanhas bolivianas David Mercado/Reuters Mais

21.abr.2016 - Mulheres indígenas aimarás caminham no monte Huayna Potosi, na Bolívia, durante escalada. Elas têm uma vantagem em relação aos demais montanhistas estrangeiros: estão acostumadas com as altitudes elevadas das montanhas bolivianas David Mercado/Reuters Mais

21.abr.2016 - Lidia Huayllas, 48, e Dora Magueno, 50, sorriem próximas ao lago Milluni, com o monte Huayna Potosi ao fundo, na Bolívia. "A primeira experiência foi o Huayna Potosi. Chorei de emoção. E eu sou forte, eu vou continuar e chegar ao topo das oito montanhas", disse Dora Magueno, 50 David Mercado/Reuters Mais

21.abr.2016 - As "cholitas" montanhistas sonham agora em colocar uma bandeira boliviana no cume do Aconcágua, o mais alto das Américas, localizado nos Andes argentinos, perto da fronteira com o Chile. Na foto, elas escalam o monte Huayna Potosi, na Bolívia David Mercado/Reuters Mais

Em trajes típicos, "cholitas" escalam montes bolivianos e sonham com o Aconcágua

Últimos álbuns de Notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos