Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/album/2016/07/09/brinquedos-guardam-memorias-da-infancia-de-quem-viveu-a-guerra-da-bosnia.htm
  • totalImagens: 8
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20160709060000
    • Bósnia e Herzegovina [5210];
    • Guerra da Bósnia [57432];
Fotos

Essas sapatilhas de balé fazem parte de um acervo de mais de 2.800 itens formado por brinquedos, cartas, fotografias, diários e pacotes de comidas dados por ajuda humanitária. Os objetos foram doados por pessoas que viveram a infância na Bósnia dos anos 1990. O material compõe o Museu Itinerante da Infância na Guerra da Bósnia. "Meu sonho de infância de me tornar bailarina nunca se tornou realidade, mas meu amor pelo balé perdura assim como essas sapatilhas de ponta", diz Mela, que nasceu em 1984 Dado Ruvic/Reuters Mais

A ideia de criar o museu foi do economista Jasminko Halilovic, 27. Ele conta que tudo começou quando colocou na internet a pergunta: "O que significa viver uma infância na guerra para você?". O resultado foi um livro publicado em 2013 intitulado "Infância na Guerra", que reuniu relatos da sua geração, e uma nova ideia de projeto. Na imagem, um pássaro de cerâmica que faz parte do acervo do museu. "Nós não tínhamos muita comida, e às vezes eu alimentava os pássaros com as migalhas que sobravam do último pedaço de pão", conta Nihad que nasceu em 1990 Dado Ruvic/Reuters Mais

Os relatos de guerra reunidos por Halilovic o aproximou de outros compatriotas da sua geração e, desde então, muitos deles têm doado objetos da época que guardam memórias de infância sobre a guerra entre muçulmanos sérvios, croatas e bósnios, que durou de 1992 a 1995. Esse rádio movido a energia solar está exposto no museu itinerante. "Nós voltamos do campo de refugiados da Croácia em 1994 e eu trouxe comigo esse rádio. Eu sabia que ele viria a calhar em uma cidade sem eletricidade", conta Admir, que nasceu em 1984 Dado Ruvic/Reuters Mais

Para Halilovic, muitas pessoas preservam objetos dos tempos da guerra e se conectam com as memórias daquele período através deles. "Elas têm um desejo de partilhar a sua experiência e foi por isso que a ideia de montar o museu surgiu", conta. Esse boné é um exemplo disso. "O buraco no meu boné é uma lembrança de estilhaços que me feriram. Naquele dia, seis dos meus amigos foram mortos", conta Goran, que nasceu em 1982 Dado Ruvic/Reuters Mais

Com o museu, Halilovic quer investigar, expor e educar sobre os efeitos da guerra nas crianças. Segundo ele, doar esses bens tem tido um efeito catártico nos, agora, adultos. "Eu costumava imagina que robôs poderiam coletar água e lenha, assim eu e meu pai não teríamos que arriscar nossas vidas todos os dias", disse Sanin, que nasceu em 1981 Dado Ruvic/Reuters Mais

"A doação termina em lágrimas, mas é o tipo de lágrima que se derrama quando você supera o passado e está pronto para recomeçar", afirma Jasminko Halilovic. Entre os itens está esta boneca doada por Asmira, hoje com 27 anos. Ela tinha três anos quando forças sérvias separatistas expulsaram sua família da cidade oriental de Bratunac, em 1992, e prenderam seu pai. Ela foi levada para um centro coletivo em Tuzla e acabou ganhando essa boneca de uma vizinha. "Quando brincava com ela, imaginava que ela costurava feridas, curava pessoas doentes. Anos depois, eu me tornei médica", conta Dado Ruvic/Reuters Mais

8.jul.2016 - O fundador do museu contou ainda que existe a ideia de expandir o âmbito do museu, incluindo coleções de outras zonas de conflito. "Assim criaríamos uma mostra universal que serviria para advertir contra novas guerras", diz Halilovic. Este boneco faz parte da exposição. "Eu tomei tanto cuidado com ele que nem sequer brincava com ele. O tempo veio para trazer para novos começos", diz Lejla, que nasceu em 1986 Dado Ruvic/Reuters Mais

A Guerra da Bósnia foi o conflito mais sangrento na Europa desde a Segunda Guerra Mundial e as divisões étnicas que o motivaram ainda afligem a antiga Iugoslávia. "Eu perdi meu irmão, minha casa, tudo, exceto esse coelhinho azul", conta Melina, que nasceu em 1991. As imagens foram feitas enquanto o Museu Itinerante da Infância na Guerra da Bósnia passava pela cidade de Zenica, na Bósnia e Hezergovina Dado Ruvic/Reuters Mais

Brinquedos guardam memórias da infância de quem viveu a Guerra da Bósnia

Últimos álbuns de Notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos