Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/album/2018/04/23/serie-busca-pistas-de-carceres-clandestinos-no-sul-do-brasil.htm
  • totalImagens: 57
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20180423040000
    • Notícias [35976];
Fotos

Único município gaúcho com 50 mil habitantes a manter eleições majoritárias livres durante a ditadura, Alegrete tinha forte presença de trabalhistas na Câmara Municipal Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Entrada do quartel do 6º Regimento de Cavalaria Mecanizada (RC Mec), em Alegrete (RS), citado pelo coronel Paulo Malhães em seu depoimento à CEV-RJ (Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro) Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Cela usada para tortura e cárcere clandestino por agentes de repressão da ditadura no Rio Grande do Sul Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O 6º Regimento de Cavalaria, em Alegrete (RS), era o local para onde os presos políticos da cidade e arredores eram levados para averiguação, interrogatório e prisão Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

A advogada Rosa Cardoso, que interrogou Paulo Malhães em audiência da Comissão Nacional da Verdade, diz que o militar mentiu em seus depoimentos para despistar investigações Kalinka Iaquinto/Eder Content Mais

Suzana Lisboa, que coordenou a análise de indenizações do governo gaúcho a ex-presos políticos, vê com cautela as revelações de Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informações do Exército Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O ex-guerrilheiro Francisco Calmon, que coordena o Fórum Memória e Verdade no Espírito Santo, foi preso por Paulo Malhães quando integrava a VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária Palmares), em 1969 Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Para a advogada Nadine Borges, que entrevistou Paulo Malhães por duas tardes em 2014, não se deve tomar como verdade o testemunho de um torturador Kalinka Iaquinto/Eder Content Mais

Para a advogada Nadine Borges, que entrevistou Paulo Malhães por duas tardes em 2014, não se deve tomar como verdade o testemunho de um torturador Kalinka Iaquinto/Eder Content Mais

O advogado Adão Faraco exibe em seu escritório o mapa que confirma sua visita à China e à União Soviética antes do golpe militar; para a ditadura, era prova de subversão Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O advogado Elehú Menezes foi detido e interrogado no 6º RC Mec, mas nega tortura ou presença de Paulo Malhães Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Suzana Lisboa, que coordenou a análise de indenizações do governo gaúcho a ex-presos políticos, vê com cautela as revelações de Paulo Malhães, ex-agente do Centro de Informações do Exército Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O advogado Elehú de Menezes foi preso e interrogado por 15 dias no 6º Regimento de Cavalaria, em Alegrete (RS), por suas ligações com diversas organizações de esquerda Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Adão Faraco era vice-prefeito eleito em 1968, mas acabou cassado pelo regime militar e só retornou à vida pública após a redemocratização; foi prefeito de Alegrete (RS) entre 1983 e 1986 Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

A ponte Internacional Brasil-Argentina serviu de travessia para cidadãos contrários às ditaduras sul-americanas Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

A Ponte Internacional Getúlio Vargas - Augustín Pedro Justo liga as cidades de Uruguaiana a Paso de Los Libres, na Argentina. No período militar, foi rota de fuga dos que fugiam dos regimes ditatoriais latino-americanos Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Entrada da ponte com prédios da Guardamoria na cabeceira, em Uruguaiana (RS) Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Prédio à esquerda da ponte no sentido Paso de Los Libres cedido para agentes de Imigração que trabalhavam para o SNI Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Prédio usado por esses agentes para interrogatório e torturas em Uruguaiana Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Prédio à direita da cabeceira da ponte no lado brasileiro, usado pela Guardamoria Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Edificações na cabeceira da ponte internacional pertenciam à Guardamoria, órgão de fiscalização aduaneira de embarcações que ocupava somente as instalações à direita da ponte durante a ditadura Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Informantes chamados de apontadores indicavam pessoas que cruzavam a ponte aos agentes argentinos, os quais eram levados a uma sala preparada para interrogatórios da aduana de Paso de Los Libres Acervo pessoal Sabrina Steinke/Juzgado Federal de Paso de los Libres Mais

Vilson Ferretto era inspetor da alfândega durante o regime militar e teve de fugir para o Rio de Janeiro Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Ex-agente fiscal da Alfândega de Uruguaiana, o advogado Vilson Ferretto relata que agentes de Imigração a serviço do Sistema Nacional de Informação (SNI) atuaram nas instalações da Guardamoria durante a ditadura Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Entrada do 8º Regimento de Cavalaria Mecanizado (RC Mec), em Uruguaiana (RS). Malhães disse ter usado cárceres clandestinos provisórios em todas as cidades que tinham quartéis da Cavalaria, arma na qual o ex-agente do CIE se formou na Academia Militar das Agulhas Negras Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Esquina do amplo terreno ocupado pelas instalações do 8º RC Mec em Uruguaiana (RS), que sediava a chefia de divisão do Exército na região nas décadas de 1960-70 Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Arcebispo primaz da Igreja Anglicana, Orvandil Barbosa era uma voz atuante contra a ditadura em Uruguaiana na década de 1970; ao retornar da Argentina pela ponte internacional foi interrogado e torturado nas instalações usadas pelo SNI Acervo pessoal Mais

Sob intensa pressão dos militares, o religioso Orvandil Barbosa foi transferido de Uruguaiana para Cruz Alta e depois para Santa Maria, onde foi condenado à prisão Acervo pessoal Mais

Orvandil Barbosa (o primeiro da esquerda para direita) foi perseguido em Uruguaiana e transferido para Cruz Alta e Santa Maria, onde foi condenado à prisão Arquivo pessoal Mais

Pesquisadora da atuação da repressão na fronteira, a historiadora Sabrina Steinke diz que os argentinos utilizaram, além da aduana, uma fazenda localizada em Paso de Los Libres, conhecida como La Polaca Manoel Eduardo/Comunicação UFPI Mais

Margem do rio Uruguai em São Borja, fronteira com a cidade argentina de Santo Tomé e rota de fuga de aliados de João Goulart após o golpe militar, em 1964 Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Liderança do PCB em São Borja, Alberto Benevenuto era médico de João Goulart no exílio; a filha Marília Chidichimo passou parte da infância em Montevidéu, no Uruguai Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O ex-fuzileiro naval Edgar Lucena participou da operação de sequestro de três presos políticos em São Borja em janeiro de 1970 Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O advogado Dino Lopes ficou detido por quase dois meses no 2º RC Mec, onde sofreu torturas; ao ser solto, foi sequestrado por fuzileiros armados na saída do quartel Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Dilon Paiani Durão ficou 60 dias detido e incomunicável no 2º RC Mec, sem direito a advogado, em 1969, durante a ditadura militar Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Décio Penafirme, coronel reformado do Exército, foi colega de turma de Paulo Malhães na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), em 1958 Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Contemporâneo de Paulo Malhães na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), o coronel reformado Décio Penafirme diz não ter lembranças da passagem do colega por São Borja (RS). Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O rio Uruguai corta a fronteira entre São Borja (RS) e a cidade argentina de Santo Tomé, na província de Corrientes; desde 1997, as duas cidades são ligadas pela Ponte Internacional da Integração Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Casa onde viveu a família de João Goulart foi tombada em 2004 e hoje abriga um museu sobre o ex-presidente, deposto pelos militares em 1964 Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Nome de rua no bairro do Passo, em São Borja (RS), o médico Alberto Benevenuto morreu em acidente de carro em 1978; família questiona papel da repressão na morte até hoje Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Promessa desde 1930, a Ponte Internacional da Integração entre São Borja e Santo Tomé não existia durante a ditadura; obra foi inaugurada em 1997, no governo de Fernando Henrique Cardoso Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Inquérito Policial Militar foi instaurado em São Borja (RS) para apurar atentado com coquetel molotov à residência do sargento Natalício Cabeleira, escrivão no 2º RC Mec; ninguém ficou ferido na explosão Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Páginas do IPM que investigou o atentado com molotov em São Borja guardam imagens de nomes de oposição investigados no caso, como o ex-preso político Dino Lopes Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Deslocado para São Borja (RS) após o golpe militar, em 1964, o ex-fuzileiro naval Edgar Lucena relata a chegada à cidade de vários oficiais do Exército vindos do Rio de Janeiro durante a ditadura Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Nova sede do quartel do 7º Batalhão da Polícia Militar em Três Passos (RS), que estava em obras em abril de 1970; terreno abrigou torturas dos presos da Sociedade Pesqueira Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Hospital de Caridade era antiga sede do quartel do 7º BPM em Três Passos (RS), onde ficaram diversos presos da Sociedade Pesqueira em 1970 Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O quartel do 2º Regimento de Cavalaria Mecanizada de São Borja (RS) abrigou mais de uma centena de presos políticos no fim da década de 1960, segundo relatos de ex-presos políticos Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

João Carlos Bona Garcia era um dos elos entre os membros da Sociedade Pesqueira Alto Uruguai e a direção da VPR no Rio Grande do Sul Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Após dois meses de prisão e torturas, Maria do Carmo Brito foi libertada em troca do embaixador alemão, sequestrado pela VPR; grupo de 40 presos políticos antes da partida para Argélia Reprodução do livro "Uma Tempestade como a Sua Memória" Mais

Em Coronel Bicaco (RS), onde vive atualmente, o italiano Roberto Fortini guarda na memória todos os detalhes das torturas conduzidas por Paulo Malhães em Três Passos Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Aos 82 anos, Roberto Fortini mostra as mãos com marcas de anos de trabalho em oficinas e também de torturas Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O italiano Roberto Antonio de Fortini era o idealizador da Sociedade Pesqueira e responsável pela logística da área tática da VPR no noroeste gaúcho Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Os militantes pertencentes à Sociedade Pesqueira Alto Uruguai foram aprisionados nas obras do prédio que hoje abriga o quartel do 7º BPM, em Três Passos (RS) Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

O italiano Roberto Antonio de Fortini era o idealizador da Sociedade Pesqueira e responsável pela logística da área tática da VPR no noroeste gaúcho Cacalos Garrastazu/Eder Content Mais

Há períodos em que o documento da Folha de Alterações não registra atividades e outros em que há intensa movimentação de Paulo Malhães pelo país. Para pesquisadores, a ausência de registro de deslocamentos deve-se ao sigilo das operações Arquivo Nacional Mais

Em seus depoimentos à CEV-RJ, Paulo Malhães revelou ter ido a alguns municípios gaúchos. Segundo o militar, ele esteve em todas as cidades que possuíam unidades de Cavalaria do Exército Arquivo Nacional Mais

Declaração oficial, registrada em cartório, em que o ex-fuzileiro naval Edgar Lucena admite participação em sequestro do preso político Dino Lopes, em janeiro de 1970 Acervo Dino Lopes Mais

Série busca pistas de cárceres clandestinos no Sul do Brasil

Últimos álbuns de Notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos