UOL Últimas NotíciasUOL Últimas Notícias
UOL BUSCA


 

23/09/2004 - 14h26
Imagens do Hubble indicam Universo com menos estrelas do que o esperado

da BBC, em Londres

Cientistas que estudam as imagens mais remotas do Universo, obtidas pelo telescópio Hubble, supreeenderam-se ao perceber que menos estrelas teriam nascido no período logo após o Big Bang.

A descoberta traz à tona, segundo especialistas, um verdadeiro quebra-cabeça cósmico. Muitos estão se perguntando onde estariam todas as estrelas que, como mostram os cálculos, existiriam no Universo.

As imagens, de galáxias e estrelas apenas alguns milhões de anos posteriores ao Big Bang, foram obtidas através do campo ultraprofundo do telescópio Hubble.

"Estamos intrigados. A quantidade de estrelas é muito inferior à esperada pelas teorias astrofísicas", disse Andrew Bunker, da Universidade de Exeter, na Grã-Bretanha.

Acontecimentos

O cientista, que participou da análise dos dados obtidos pelo Hubble, pede que a Nasa (agência espacial americana) aprimore o telescópio, com o objetivo de resolver o mistério.

Em questão, de acordo com os especialistas, estão acontecimentos-chaves ocorridos nos estágios mais primários do Universo.

Os cientistas acreditam que a temperatura extremamente elevada que tomou conta do Universo depois do Big Bang eventualmente esfriou o suficiente para permitir que prótons, neutrons e elétrons formassem átomos neutros de hidrogênio e hélio.

A transição também foi caracterizada por um mergulho do cosmos em uma escuridão profunda, já que as estrelas que iluminariam o Universo ainda não tinham acendido.

Quando as estrelas acenderam, a partir de nuvens de hidrogênio e hélio, a era da escuridão deu origem a um "renascimento cósmico".

Além disso, essas estrelas jovens e quentes passaram a produzir uma intensa irradiação ultravioleta que "fritou" o gás do Universo, produzindo o plasma intergalático que é detectado até os dias de hoje.

Problemas

O campo ultraprofundo do Hubble apresenta um problema para essa teoria. Quando Blunker e sua equipe mediram a proporção da formação de estrelas nas imagens mais remotas do Universo, eles perceberam que era insuficiente para criar os níveis de radiação necessários para produzir o plasma intergalático.

"Não há atividade o suficiente. Pode ser que a atividade estelar tenha sido mais intensa mais cedo ainda na formação do Universo. Outra possibilidade, ainda mais interessante, é que o comportamento físico do Universo era bem diferente da receita que temos atualmente", explica Bunker.

Alguns cientistas, no entanto, discordam, afirmando que as estrelas podem ter tido a mesma capacidade de produzir o plasma porque continham elementos mais leves naquela época.

O que todos os especialistas acreditam é que o Hubble, que sofre com problemas de falta de investimentos e manutenção, deve ter suas funções recuperadas para tentar resolver o quebra-cabeça.


ÍNDICE DA BBC BRASIL   IMPRIMIR   ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA