UOL Notícias Notícias
 

09/05/2007 - 09h16

Contra evangélicos, padres brasileiros usam 'seus métodos', diz 'Figaro'

As missas do padre Marcelo Rossi, celebradas em São Paulo, são citadas em reportagem publicada nesta quarta-feira pelo diário francês Le Figaro como exemplo do contra-ataque da Igreja Católica contra as igrejas evangélicas, que vêm ganhando fiéis há mais de duas décadas no Brasil.

Na avaliação do jornal, para conter o crescimento dos evangélicos e a perda de fiéis da Igreja Católica, os padres brasileiros "vêm adotando seus métodos".

"As 18 mil cadeiras de plástico alinhadas na antiga fábrica em Santo Amaro, no Sul de São Paulo, não foram suficientes. Como todas as quintas-feiras à noite, milhares ficam de pé, apertados, para assistir à missa do padre Marcelo", relata o texto.

O jornal observa que o padre Marcelo "exprime a quintessência da Renovação Carismática, um movimento que emergiu após o Concílio Vaticano 2º (1962-1965), com o objetivo de alterar os métodos da Igreja para se aproximar do povo".

Perdendo o trem

A reportagem afirma que "a Igreja Católica vem tomando tardiamente o trem da comunicação". "Controla nove cadeias de TV e 215 rádios no país, mas sem grande audiência. Os evangélicos, pelo contrário, que ocupam as freqüências de rádio e TV há 15 anos, já construíram um império, com a TV Record, a segunda maior rede do país, centenas de rádios e o periódico mais lido do país, a Folha Universal", observa.

Para avançar nesse campo, diz o Figaro, o padre Marcelo defende que "a Igreja Católica não pode virar as costas para a modernidade, porque estamos na era da música, da TV e da Internet".

Para isso, a arma é o próprio padre, que no ano passado vendeu mais de um milhão de CDs com suas músicas, à frente das maiores estrelas da música do país. "Na sexta-feira, virá cantar ao papa, apesar das reservas do Vaticano, que não gosta muito do desempenho daquele que é chamado de 'padre pop'", diz o texto.

O jornal comenta que metade dos brasileiros não sabe o nome do papa, segundo as pesquisas, e que as autoridades eclesiásticas temem não conseguir encher a pista do Campo de Marte, onde será celebrada a missa popular, e encerra com uma ironia ouvida de um professor de teologia da PUC-SP: "Pelo menos com o padre Marcelo, já asseguram um público de pelo menos 100 mil pessoas".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,52
    3,318
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,82
    61.675,46
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host