UOL Notícias Notícias
 

09/05/2007 - 14h31

Reunião entre Petrobras e Bolívia termina sem acordo

Marcia Carmo
De Buenos Aires
Terminou sem acordo a reunião entre a Petrobras e o governo boliviano, nesta quarta-feira, em La Paz, na Bolívia.

Foi o primeiro encontro entre representantes da empresa e autoridades do governo do presidente Evo Morales, após seu decreto sobre as duas refinarias da Petrobras, no território boliviano.

"Foi um encontro cordial, muito tranqüilo, onde detalhamos a proposta da Petrobras às autoridades bolivianas", disse o brasileiro José Freitas, presidente da Petrobras Bolívia.

"Agora vamos esperar a resposta do governo boliviano."
O prazo dado pelo presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, recordou Freitas vence nesta quinta-feira.

O governo boliviano deverá responder se aceita o preço pedido pela Petrobras pela venda total das duas refinarias que comprou nos anos noventa.

"Expropriação"
Com apoio do presidente Lula, Gabrielli, o ministro brasileiro das Minas e Energia, Silas Rondeau, e o Itamaraty reagiram ao decreto de Morales, dizendo tratar-se de uma "expropriação" do fluxo de caixa das refinarias.

A previsão é de que o ministro boliviano de Hidrocarbonetos, Carlos Villegas, entregue a proposta da Petrobras ao presidente Morales ainda nesta quarta-feira.

A empresa brasileira, dona das duas das seis principais refinarias da Bolívia, teria reduzido sua oferta pelas duas unidades de refino, nas últimas horas.

A proposta teria caído dos US$ 136 milhões, informados na semana passada, para US$ 112 milhões, de acordo com os jornais bolivianos La Razón, de La Paz, e El Deber, de Santa Cruz de la Sierra.

Assessores do ministro Villegas afirmaram, logo após a reunião, que a "nova proposta" da Petrobras era esperada, assim como a Bolívia também deverá melhor seu preço por esta compra (agora de 100% das duas refinarias) nas próximas horas.

Não se descarta que Morales aumente "levemente" a proposta de US$ 60 milhões, com o argumento, para o público boliviano, de que as duas unidades são simbólicas na trajetória da nacionalização dos hidrocarbonetos no país.

As duas refinarias - Gualberto Villaroel, em Cochabamba, e Guillermo Elder, em Santa Cruz - levam nomes de defensores históricos deste processo.

Assessores de Morales recordaram, nesta quarta-feira, que ele é a favor do "diálogo" com o Brasil, como ele mesmo disse na véspera, mas que as refinarias são "muito importantes, em termos estratégicos" para fazer valer o decreto de nacionalização do petróleo e gás, assinado em maio do ano passado.

"Todos nós queremos preço justo pelas refinarias", disse um assessor de Morales, repetindo a palavra "justo" usada pelo presidente Lula ao se referir a esta venda.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host