UOL Notícias Notícias
 

28/05/2007 - 08h55

TV venezuelana sai do ar; milhares se manifestam

Milhares de pessoas participaram de manifestações a favor e contra o fechamento do canal privado de televisão RCTV, no domingo, na capital da Venezuela, Caracas.

A emissora, o canal privado mais antigo e popular do país, não teve sua licença renovada e saiu do ar à meia-noite do domingo. Poucos segundos depois, apareceu na tela das televisões o logo da TEVES, uma emissora que tem patrocínio estatal.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, assumiu em um pronunciamento que todas as emissoras do país tiveram que transmitir, a responsabilidade pela decisão.

"Esta estação de TV se tornou uma ameaça ao país, então decidi não renovar a licença porque era a minha responsabilidade", disse ele, segundo a agência de notícias Associated Press.

"Liberdade"

Funcionário da RCTV se abraçaram e gritaram "Liberdade!", antes de baixar a cabeça e oraram em prantos durante os últimos minutos da emissora no ar.

"Vida longa para a Venezuela. Nós vamos voltar em breve", disse um apresentador antes que o hino nacional fosse entoado e a tela indicou o fim das transmissões.

A RCTV ainda poderá ser vista em cabo, mas ter perdido a freqüência para transmissão pública vai privar a empresa da maior parte de sua audiência.

Ocupação

Manifestantes pró-Chávez se reuniram em frente ao Ministério das Comunicações para celebrar o evento.

"Concordo com o que está acontecendo", disse uma mulher à BBC. "Temos que apoiar nosso presidente. Eles foram longe demais e não o respeitaram. Foi demais."

Na frente da emissora, manifestantes contrários à decisão disseram que Chávez está cerceando suas liberdades individuais.

O Diretor-Geral da RCTV, Marcel Granier, disse no domingo que a decisão de Chávez seria ilegal.

"Não perdemos a esperança de que antes da meia-noite o presidente aja sensatamente? ele ainda tem a oportunidade de corrigir este comportamento abusivo, arbitrário e ilegal", disse ele.

A polícia chegou a usar canhões de água, gás lacrimogêneo e disparar balas de borracha para dispersar alguns manifestantes que atiravam pedras contra os policiais.

Em várias partes de Caracas, partidários de Chávez comemoraram com fogos de artifício o fechamento da emissora, a única que se alinha à oposição e tem alcance nacional.

Polêmica

A RCTV está no ar há 53 anos e é o canal privado mais antigo e de maior audiência da Venezuela.

Desde seu anúncio, a decisão do presidente tem provocado polêmica e muitos protestos.

Na quinta-feira, Chávez ridicularizou as críticas feitas pela União Européia e pelo Senado americano contra a medida.

Na sexta-feira, o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela determinou que equipamentos e infra-estrutura da emissora RCTV sejam colocados à disposição da Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel).

A Conatel poderá, de acordo com a Justiça, conceder o uso do equipamento para outro operador. Esse operador deverá ser a Televisora Venezolana Social (TEVES), recentemente criada pelo governo de Hugo Chávez para ocupar a freqüência atualmente utilizada pela RCTV com uma programação classificada como de "serviço público".

Com essa decisão judicial, a TEVES poderá cobrir grande parte do território venezuelano desde suas primeiras horas de transmissão.

A TEVES lançou programas que Chávez disse que refletiriam melhor a sociedade venezuelana, inclusive um filme sobre o herói da independência Simon Bolívar.

O governo entrou com recursos da ordem de US$ 4 milhões para o lançamento da nova emissora.

A oposição venezuelana disse que a decisão judicial de sexta-feira representa a expropriação dos equipamentos de transmissão de um canal privado de televisão.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,22
    3,148
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h22

    0,64
    65.099,56
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host