UOL Notícias Notícias
 

29/05/2007 - 19h46

Manifestantes da Venezuela pedem proteção à OEA; Chávez vê conspiração

da BBC
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, defendeu nesta terça-feira em um pronunciamento em cadeia nacional a decisão de fechar a emissora de televisão RCTV e conclamou o povo a defender a "revolução" socialista que lançou no país.

"É uma decisão soberana, legítima, que não está em discussão, mas há elementos desestabilizadores que estão em jogo", disse o presidente sobre o fechamento do canal e os protestos contra a medida em Caracas e outras cidades.

"Soem o alarme nas colinas, nas vizinhanças e vilarejos para defender nossa revolução deste novo ataque fascista."

Nesta terça-feira, estudantes voltaram pelo segundo dia consecutivo a realizar protestos na capital venezuelana contra o fechamento da RCTV, a mais antiga emissora privada de TV do país.

Um grupo de estudantes foi à sede da OEA (Organização de Estados Americanos) em Caracas e entregou à organização um documento em que pede proteção e garantias ao direito de realizar protestos pacíficos.

Globovisión

Em seu pronunciamento, Chávez acusou um segundo canal de TV, o Globovisión, e alguns jornais de estarem orquestrando uma campanha contra ele.

Segundo o presidente, o fechamento da RCTV foi em nome do interesse público, já que seu programas representavam um "ataque permanente à moral do público", com novelas que eram como "cascavéis peçonhentas" e desenhos animados para crianças "contaminados com ódio, violência e mesmo sexo".

Muitos observadores avaliam que os protestos estudantis desta terça-feira foram os maiores que Chávez já enfrentou em seus nove anos no poder.

Os estudantes bloquearam várias vias de Caracas, incluindo uma das principais avenidas da cidade, que faz a ligação com o sudeste da capital venezuelana.

Os manifestantes convocaram mais protestos, o que fez surgir temores de que voltem a ocorrer violentos confrontos com policiais.

Na segunda-feira, até a meia-noite (hora local, 23h em Brasília), pelo menos 14 pessoas haviam ficado feridas em choques em Caracas e também nas cidades de Maracay, Valencia e Mérida.

Grupos de Chávez também se reuniram nesta terça-feira em Caracas para uma passeata em defesa do fechamento da RCTV.

Brasil

Ainda nesta terça-feira, o presidente da Conferência Episcopal Venezuelana, arcebispo Ubaldo Santana Sequera, pediu que o Brasil reze "pela urgência dos direitos humanos" frente à "nova situação de tensão e violência" em seu país.

Sequera fez os comentários em Aparecida (SP), onde participa da 5ª Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe.

"Agradeço a todos e todas as múltiplas expressões de solidariedade e o apoio de suas orações", disse o religioso.

O vice-presidente da Conferência Episcopal, monsenhor Roberto Lückert, havia dito antes que a não renovação da concessão do canal de TV havia sido o "mais grave erro político" de Hugo Chávez.

Os comentários se seguiram às declarações do arcebispo de Mérida, Baltazar Cardozo, que disse na segunda-feira que o governo venezuelano "em muitas coisas está próximo" a "posturas adotadas por Castro, Hitler e Mussolini".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host