UOL Notícias Notícias
 

30/05/2007 - 18h08

Oposição na Venezuela pede referendo sobre fechamento de TV

Marcia Carmo e Carlos Chirinos
de Buenos Aires e Caracas
Um dos líderes da oposição venezuelana, o governador Manuel Rosales, do Estado de Zulia, defendeu nesta quarta-feira a realização de um referendo popular sobre o fechamento da emissora de televisão RCTV, determinado pelo presidente Hugo Chávez.

Rosales, derrotado por Chávez nas últimas eleições presidenciais, acusou o governo de querer "apropriar-se" de todos os meios de comunicação para "impor o silêncio" ao povo venezuelano.

Ainda nesta quarta-feira, venezuelanos voltaram às ruas para se manifestar, pelo terceiro dia consecutivo, contra e a favor do fechamento da RCTV, que saiu do ar no domingo depois que o governo se recusou a renovar a sua licença.

Com bandeiras do país, faixas e cartazes pedindo "pluralismo", "a volta das novelas" e "liberdade de expressão", universitários e outros manifestantes gritaram palavras de ordem contra o governo do presidente Hugo Chávez.

Eles deram vaias ao passar em frente ao prédio da Universidade Bolivariana da Venezuela (UBV), em Caracas, criada por Chávez há cerca de quatro anos.

No centro da capital venezuelana, outros grupos voltaram a se manifestar a favor da decisão de Hugo Chávez de não renovar a licença da emissora privada mais antiga da Venezuela.

Chávez alega que a licença da RCTV não foi renovada em nome do interesse público, já que seus programas representavam um "ataque permanente à moral do público", com novelas que eram como "cascavéis peçonhentas" e desenhos animados para crianças "contaminados com ódio, violência e mesmo sexo".

Ele também qualificou a RCTV de "golpista". Para substituí-la, o governo criou a Televisora Venezolana Social (TEVES), que entrou no ar na mesma freqüência da emissora privada com uma programação classificada como de "serviço público".

Globovisión

Um dos locais escolhidos pelos chavistas foi a Globovisión, outra emissora que o governo acusou na terça-feira de incitar o assassinato do presidente.

Enquanto as marchas eram realizadas, jornalistas da entidade Grupo de Periodistas por la Verdad (Grupo de Jornalistas pela Verdade) foram mostrados, ao vivo pela Globovisión, na porta da emissora, criticando sua "atitude agressiva" contra o governo.

O jornalista venezuelano Marcos Hernández disse que eles também querem liberdade de expressão, mas discordam da filosofia adotada pela Globovisión - ameaçada na véspera por Chávez.

"Com essa atitude, vocês vão acabar contribuindo para desestabilizar o país", disse. "E não é verdade que a RCTV foi fechada, como vocês informam.

A verdade é que a concessão não foi renovada. E estamos em festa porque o novo canal só vai contribuir para a democracia, porque será pluralista."

Ao saber do protesto na porta do edifício, o diretor geral da emissora, Alberto Federico Ravell, foi conversar com os jornalistas.

"Vocês deveriam fazer a mesma sugestão (de cobertura sem críticas agressivas) ao canal oito (estatal)", disse.

Segundo ele, nos três primeiros dias de programação a estatal TVES (que substituiu a RCTV) mostrou apenas "enlatados" americanos. "Estão repetindo o mesmo que criticam das TVs privadas", afirmou.

Pouco antes, o governador Manuel Rosales, governador do estado de Zulia, discordou de Chávez, ao dizer que o protesto não era "armado", mas "espontâneo".

Rosales foi derrotado pelo atual presidente nas últimas eleições presidenciais, em dezembro passado.

Outras concessões

Também nesta quarta-feira, a Comissão Nacional de Telecomunicações de Venezuela garantiu que vai renovar as concessões das 156 emissoras de radio, na freqüência AM, do país.

As concessões, segundo os jornais El Nacional e El Universal, nas suas edições on line, venceram domingo, mas até agora apenas cinco rádios tiveram os acordos renovados.

Oficialmente, argumentou-se que o atraso ocorreu por "problemas burocráticos". O clima tenso é registrado um dia depois que o presidente Chávez acusou, em cadeia de televisão, a Globovisión, de estimular um atentado contra ele. Chávez ameaçou, citando a Globovisión: "Só recomendo que devem medir muito bem até onde querem chegar".

Para ele, os estudantes estão sendo usados como "bode expiatório" dos que querem gerar instabilidade no país. Nesta quarta, os manifestantes entregaram documento à Defensoria do Povo, pedindo a "defesa dos direitos humanos".

Segundo informações oficiais, foram liberados, nesta madrugada, os 101 menores de idade presos nas manifestações do dia anterior.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,11
    3,339
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,30
    61.087,14
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host