UOL Notícias Notícias
 

08/06/2007 - 08h00

G8 quer 'mais cooperação e soluções comuns' do G5

Rogerio Wassermann
enviado especial a Heiligendamm
AFP
O presidente russo, Vladimir Putin, e Lula
AJUDA À ÁFRICA
BUSH PASSA MAL
MAIS IMAGENS DO DIA
O encontro de cúpula anual do G8, o grupo dos países mais industrializados do mundo mais a Rússia, termina nesta sexta-feira, no balneário de Heiligendamm, com a promessa de uma voz maior aos países emergentes que há três anos participam do encontro como convidados.

Em um comunicado, os líderes do G8 disseram querer uma "cooperação maior" com os países convidados (Brasil, África do Sul, China, Índia e México, conhecidos como G5) e "o desenvolvimento de soluções comuns".

"O G8 e as principais economias emergentes têm a chance de definir uma nova parceria respondendo aos novos desafios econômicos mundiais", afirma o documento do G8.

Na noite de quinta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, reclamaram em Berlim do fato de os países convidados participarem do encontro apenas no último dia, quando os principais temas já foram discutidos e os acordos, fechados.

Apesar da promessa de uma maior voz aos países emergentes, porém, a reivindicação do grupo de convidados para que o grupo os incorporasse e se transformasse em G13 continua fora de questão, por resistência dentro do G8.

Cobranças

Lula disse que cobrará dos países ricos, durante sua participação no almoço com os líderes do G8 nesta sexta-feira, concessões que permitam um acordo para a liberalização do comércio mundial na chamada Rodada de Doha e também o cumprimento das Metas do Milênio, que incluem a redução da pobreza no mundo pela metade até 2015.

O presidente afirmou que falaria sobre esses temas durante o almoço mesmo se tivesse que deixar de comer para isso.
Lula disse que "o mundo rico precisa abrir mão dos subsídios e abrir seus mercados aos produtos agrícolas" e que, em troca, os países em desenvolvimento fariam concessões para abrir seus mercados de serviços e produtos industrializados, mas que esses sacrifícios deveriam ser proporcionais à capacidade de cada um.

Após sua participação na reunião de trabalho e no almoço com o G8, Lula deverá ainda se encontrar a sós, nesta sexta-feira, com os primeiros-ministros do Canadá, Stephen Harper e da Itália, Romano Prodi, além da anfitriã Angela Merkel, chanceler (primeira-ministra) da Alemanha.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host