UOL Notícias Notícias
 

11/03/2009 - 14h25

Golpe do falso sequestro cresce no México

Os casos de tentativa de extorsão telefônica em que os bandidos fingem ter realizado um sequestro subiram de 53 em 2002 para 50 mil no ano passado no México, de acordo com dados da Polícia Federal mexicana. O jornal Diario de Tijuana afirma que a modalidade de crime, que se tornou comum no Brasil, é hoje a principal atividade do Cartel de Tijuana, superando o narcotráfico.

Como no Brasil, a maioria das tentativas de extorsão mexicanas ocorre sem que os criminosos tenham de fato sequestrado alguém. Eles costumam ligar para parentes de supostas vítimas e contar com a pressão psicológica para fazer com que a pessoa que atende o telefonema concorde em pagar algum tipo de resgate.

No México, a polícia detectou três variantes. Na primeira, o criminoso usa a gravação de alguém com a voz parecida com a do suposto sequestrado e impede que a vítima desligue o telefone até que faça um depósito bancário.

No segundo caso, o criminoso finge ser um funcionário da alfândega que teria capturado um parente da vítima tentando entrar com mercadorias proibidas no país. Ele então exige dinheiro para liberar o suposto infrator.

A terceira variação envolve os criminosos se dizendo pertencer ao grupo paramilitar Zetas, uma das gangues armadas mais temidas do México.

Como no caso brasileiro, a polícia mexicana diz que muitos destes trotes são feitos de dentro de cadeias. No Brasil, a modalidade criminosa foi noticiada pela imprensa com mais frequencia entre 2006 e 2007, mas continuou crescendo no ano passado.

A incidência dos golpes de extorsão simples (sem sequestro) aumentou em 65% entre 2007 e 2008, de acordo com levantamento do Disk Denúncia.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    -0,94
    3,108
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,51
    63.853,77
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host