UOL Notícias Notícias
 

25/04/2009 - 10h04

Coreia do Norte volta a processar combustível nuclear

O governo da Coréia do Norte anunciou neste sábado que voltou a processar barras de combustível nuclear na usina de Yongbyon, ao norte de Pyongyang. Segundo um representante do ministério do Exterior, a reativação do reator "contribuirá para impulsionar a dissuasão nuclear em defesa própria a fim de enfrentar as crescentes ameaças militares das forças hostis".

A retomada do processo pode indicar uma ação na extração de plutônio para produção de armas nucleares e ocorre depois do lançamento de um foguete de longo alcance em abril. Na sexta-feira, um comitê do Conselho de Segurança da ONU decidiu impor sanções contra três empresas em resposta ao lançamento. Pyongyang afirmou que ignoraria as sanções e classificou a ação da ONU como uma violação dos tratados internacionais. Diplomatas americanos afirmaram que as sanções são uma "resposta séria" ao lançamento. Boicote O correspondente da BBC em Seul, John Dudworth, disse que a decisão do governo norte-coreano confirma que o país pretende boicotar as negociações internacionais sobre o desarmamento. A Coréia do Norte abandonou as negociações internacionais sobre o programa nuclear do país no dia 14 de abril, um dia depois do lançamento controverso do foguete, quando anunciou que iria retomar as atividades do reator de Yongbyon,. A ONU condenou o lançamento do foguete de longo alcance, alegando que seria um teste do programa norte-coreano de mísseis de longo alcance, proibidos por uma resolução aprovada em 2006. Pyongyang respondeu à condenação afirmando que abandonaria as discussões internacionais sobre seu programa nuclear e anunciou a reativação de Yongbyon. Além disso, o governo ordenou a expulsão dos inspetores das Nações Unidas que fiscalizavam o processo de desmantelamento nuclear.

Na sexta-feira, durante uma visita do ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, a Pyongyang, a Coréia do Norte confirmou que não retomaria as negociações sobre o desarmamento nuclear. Lavrov pretendia convencer o governo a voltar à mesa de discussões e afirmou, durante uma coletiva de imprensa em Seul, que as sanções impostas pela ONU contra empresas norte-coreanas não eram "construtivas".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,75
    3,173
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h21

    -0,13
    76.891,84
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host