UOL Notícias Notícias
 

29/05/2009 - 09h16

Novela inglesa terá personagem muçulmano gay

Uma das novelas mais populares da TV britânica, a série EastEnders, que está no ar há 24 anos, terá um personagem muçulmano gay. Na trama, o personagem Syed Masood, interpretado pelo ator Marc Elliott, irá se apaixonar por um homem que é abertamente gay e os dois devem se beijar em uma das cenas da novela. Os capítulos devem ser transmitidos pelo canal de televisão BBC 1 no próximo mês, mas o anúncio da nova trama já causou polêmica. Para Asghar Bokhari, da ONG Comitê de Assuntos Públicos Muçulmanos, "a novela perdeu uma oportunidade de apresentar um personagem muçulmano normal e amigável ao público britânico".

"A comunidade muçulmana merece um personagem que a represente para o grande público porque a islamofobia é intensa atualmente", disse Bokhari. No site da ONG, internautas mostravam opiniões divididas sobre a decisão. Alguns criticaram a BBC, afirmando que a rede deveria criar uma imagem "normal" da comunidade muçulmana, enquanto outros apoiavam a iniciativa. 'Vida real' O produtor executivo da série, Diedrick Santer, defendeu a trama e afirmou que é importante que a novela trate de assuntos que reflitam a vida real. "É importante que a família Masood tenha um grande papel em EastEnders". "As vezes há um perigo em ter cautela demais para não pisar em territórios que possam ofender no caso dos personagens negros ou asiáticos", disse Santer. "Mas me parece que se nos distanciarmos demais de controvérsias, eles (os Masoods) não teriam chance de se tornar uma das grandes famílias da novela - eles apareceriam apenas na cozinha fazendo curries (comida tradicional indiana ou bengalesa) por anos e anos, e isso não é muito interessante". O ator que interpretará o personagem concorda com a opinião do produtor. "Acho importante porque Londres é um lugar multicultural e etnicamente diverso e a novela EastEnders tem o papel de refletir isso em seu roteiro", disse Elliott. Yusuf Wehebi, da ONG Imaan, que dá apoio a homossexuais muçulmanos, acredita que a rede de televisão foi "corajosa" em levantar essa questão social na trama da novela. "Já está na hora de a minoria invisível se tornar uma minoria visível", disse Wehebi. "É completamente possível ser muçulmano e gay e há muitos de nós na Grã-Bretanha", afirmou.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host