UOL Notícias Notícias
 

28/12/2009 - 22h13

Suriname: Itamaraty faz ronda por hospitais para colher informações

Quatro dias após a onda de violência contra um grupo de brasileiros no Suriname, o Itamaraty segue coletando informações sobre o episódio que deixou cerca de 25 feridos.

Nesta segunda-feira, diplomatas brasileiros que estão no país vizinho realizaram uma ronda por hospitais e hotéis da região, em busca de possíveis vítimas ou testemunhas.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que o Itamaraty reúna o maior número possível de informações, a fim de que as razões do conflito sejam esclaredidas.

O secretário-geral do Itamaraty, Antônio Patriota, que foi recebido pelo presidente Lula, em Brasília, disse que a situação na região de Albina, a 150 km a leste da capital, Paramaribo, está caminhando para a "normalidade", segundo relato de assessores do Palácio do Planalto.

Patriota teria ainda dito ao presidente que, até o momento, não há registro de mortos. No domingo, o Ministério chegou a confirmar uma vítima fatal.

Alguns sobreviventes dizem, no entanto, ter a informação de que quatro brasileiros teriam sido assassinados durante o confronto e que os corpos estariam no Instituto Médico Legal (IML), aguardando identificação.

A estimativa é de que 80 brasileiros tenham sido agredidos, inclusive com facas, por um grupo de moradores locais. Quatro pessoas estão hospitalizadas, segundo o Itamaraty.

A onda de violência teria sido uma represália ao suposto assassinato de um surinamês por um garimpeiro brasileiro.

Tensão A relação entre os garimpeiros brasileiros e os chamados "marrons" (descendentes de quilombolas que vivem no interior do Suriname) tem sido marcada por uma forte competição e discordâncias sobre métodos de exploração dos garimpos.

É comum, por exemplo, os "marrons" criticarem brasileiros por buscarem um "retorno rápido e acima de tudo", enquanto os brasileiros costumam se referir aos trabalhadores locais como "lentos e preguiçosos", diz o funcionário de uma rádio local.

O brasileiro Ricardo Silva dos Reis, de 23 anos, que testemunhou o confronto da última quinta-feira, diz que os brasileiros "nunca foram bem recebidos" na cidade e que todos sempre viveram sob uma "constante tensão".

Ricardo conta que trabalhava em um dos supermercados incendiados na noite de Natal e que, até o dia do confronto, "achava que valia a pena enfrentar o perigo em prol do retorno financeiro".

"Mas agora não dá mais. Isso foi um alerta. Agora, só volta lá quem tem muita coragem", diz o brasileiro, que está hospedado na casa de amigos, em Paramaribo, capital do Suriname.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host