UOL Notícias Notícias
 

04/01/2010 - 23h31

Suicida que matou agentes da CIA era da Al-Qaeda, diz mídia americana

O homem bomba que matou sete agentes da CIA, a agência de inteligência dos Estados Unidos, no Afeganistão, na semana passada, era um agente triplo da Al-Qaeda, segundo informações da mídia americana.

Segundo os relatos, ele seria o jordaniano Humam Khalil Abu-Mulal al-Balawi, de 36 anos, um médico recrutado pelo serviço de inteligência da Jordânia para se infiltrar na rede extremista.

Abu-Mulal seria simpatizante da Al-Qaeda e teria sido preso pela inteligência jordaniana há um ano. Ele teria sido então recrutado pela Jordânia e pela CIA, que acreditavam ter conquistado o apoio do médico, para uma missão de encontrar líderes da rede como informante.

Ele teria trabalhado disfarçado no leste do Afeganistão por algumas semanas antes de detonar uma bomba na base americana Chapman, na província de Khost.

Confiança O jornal Washington Post cita dois ex-oficiais americanos para afirmar que o jordaniano teria enganado os agentes da CIA e marcou um encontro na base dizendo que teria informações sobre a liderança da Al-Qaeda na região.

De acordo com a rede de notícias NBC, a inteligência da Jordânia acreditou que teria conquistado o apoio de Abu-Mulal e o enviou ao Afeganistão para se infiltrar na Al-Qaeda. A missão dele seria perseguir o número dois da rede extremista, Ayman al-Zawahiri.

Após a explosão na base Chapman, os investigadores questionaram como o suicida poderia ter entrado no local e passado pela segurança da base.

Segundo o Washington Post, ele teria sido levado para dentro da base em um carro sem ser revistado.

De acordo com um ex-agente da CIA, esse tipo de "informante" não passa pela revista completa da segurança para que o governo tente ganhar a confiança desses que afirmam ter informações relevantes.

"Quando você está tentando criar um entendimento e literalmente pede a eles que arrisquem (as vidas) por você, é preciso fazer muito para construir a confiança", disse o ex-agente à Associated Press.

Um porta-voz do Talebã citado pela rede Al-Jazeera disse que Abu-Malal seria era um agente duplo que enganou os serviços de inteligência dos EUA e da Jordânia por um ano.

Segundo o deputado americano Dutch Ruppersberger, que integra a comissão de inteligência da Câmara dos Representantes, é importante identificar como a CIA não descobriu que o homem bomba era um agente da Al-Qaeda.

"Eu estou surpreso que tenha acontecido e devemos lidar com isso", disse o deputado.

Relatos afirmam que a base Chapman é protegida por cerca de 200 soldados afegãos. Ela seria usada por civis e militares e, segundo analistas, é um centro de operações da CIA em Khost.

A província é um dos redutos do Talebã e já sofreu ataques de militantes anteriormente.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h00

    -0,86
    3,255
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h03

    0,92
    63.810,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host