UOL Notícias Notícias
 

07/01/2010 - 14h47

Espanha proíbe anúncios que exaltem 'culto ao corpo'

O Parlamento da Espanha aprovou, nesta quinta-feira, uma lei que proíbe a exibição na TV de anúncios que "exaltem o culto ao corpo" das 6h às 22h.. Estão na mira anúncios de produtos de emagrecimento, tratamentos de beleza e cirurgias estéticas, que, na visão dos parlamentares, associam a imagem de sucesso com a de padrões físicos e representam influências negativas para crianças e jovens. A vice-presidente do governo, Maria Teresa Fernández de la Vega, disse no Parlamento que o objetivo da medida é "evitar o rechaço da auto-imagem". "A publicidade que associa a imagem de sucesso com fatores como peso ou estética incita a discriminação social pela condição física e deve estar fora do horário protegido para os menores de idade". Segundo o governo, a lei também ajudará a evitar a propagação de transtornos como a anorexia e a bulimia porque "as tradicionais campanhas comerciais estéticas podem prejudicar o desenvolvimento físico, mental ou moral." A nova medida que, chegou ao Parlamento espanhol sob polêmica, livra apenas os alimentos descritos como "baixos em calorias" ou "light". Revolta Mas a lei já provocou protestos de associações de anunciantes, que ameaçam recorrer a tribunais internacionais. "Essa lei merece repulsa porque o governo abusa do direito de legislar e prejudica a todos, do consumidor à indústria. É excessiva e arbitrária, e vamos apelar à Comissão Européia de Informação", disse à BBC Brasil a presidente da Associação Espanhola de Anunciantes, Patrícia Abril. As campanhas publicitárias de produtos de beleza e estética arrecadam mais de 500 milhões de euros por ano na Espanha, segundo dados do Ministério de Indústria. Em 2009, foram emitidos quase 450 mil anúncios de beleza e higiene nas TVs espanholas, o terceiro setor em volume de investimento e faturamento publicitário. Só a maior rede de clínicas de cirurgia estética do país, Corporación Dermoestética, anunciou seus serviços durante 4,4 mil minutos em propaganda televisiva no ano passado. O governo, no entanto, insiste no argumento da defesa dos menores. Por isso a lei de audiovisual restringe ainda os anúncios de cigarros, álcool, pornografia e jogos de azar, além de filmes, séries e propagandas com "violência gratuita", que só podem aparecer nas telinhas entre as 22:01 e as 5:59. Apoio A decisão do Estado tem o apoio de instituições como a Associação de Usuários de Comunicação (AUC) e a Confederação Espanhola de Pais e Mães de Alunos (Ceapa). "Pode parecer muito restritiva a princípio, mas realmente é uma lei protetora para os menores. De onde saem estes casos chamativos de crianças querendo fazer cirurgias estéticas ou sofrendo com a anorexia, senão do bombardeio publicitário?", questionou à BBC Brasil o presidente da Ceapa, Pedro Rascón. Para a presidente da AUC, Esperanza Rodríguez, a lei ajuda a "acabar com a impunidade das emissoras de TV". "As televisões sempre fizeram escolhas baseadas em seus interesses sem que ninguém questionasse estas atuações. Já era hora de regulamentar o setor em benefício público", diz.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host