UOL Notícias Notícias
 

25/02/2010 - 06h05

Gangues de Londres usam estupro como arma, diz relatório

Um relatório divulgado por um centro de estudos britânico indica que garotas vêm se tornando vítimas de violência sexual como resultado das disputas entre gangues em Londres.

Depois de entrevistar mais de 350 mulheres e meninas, a organização Race On The Agenda revelou que o estupro é usado para punir garotas integrantes de gangues e parentes de membros de gangues rivais.

Todas as mulheres e meninas entrevistadas estão associadas a alguma gangue na capital britânica.

A autora do relatório, Carlene Firmin, disse que o estupro está sendo usado como "a arma favorita" e que poucas organizações e serviços estão equipados para ajudar as vítimas.

Poucos dados
Firmin descreveu a entrevista com uma jovem que foi presa por vender drogas para uma das gangues.

"Quando foi solta sob fiança, ela foi sequestrada e estuprada por vários membros da gangue, como punição e para silenciá-la", disse a autora do estudo.

Segundo o relatório, há poucas informações sobre o número de mulheres afetadas pela violência das gangues. O documento ainda destaca que os poucos serviços existentes para atender as vítimas sofrem da falta de recursos crônica e estão sobrecarregados.

Peaches Cadogan, ex-integrante de uma gangue que agora trabalha com a organização Reality Bites, que tenta ajudar membros de gangues, confirmou o que diz o relatório.

Segundo ela, as meninas envolvidas com gangues não sabem como sair da situação abusiva e temem as consequências se disserem "não".

"Esses membros de gangue não têm qualquer problema em colocar uma arma na boca de sua mãe - essas coisas acontecem diariamente", diz Cadogan.

Vida de violência
A reportagem da BBC falou com jovens meninas integrantes de gangues em Londres e Glasgow, na Escócia. Seus nomes foram trocados, mas suas histórias revelam o nível de envolvimento das jovens nos grupos criminosos.

"Já bati em gente. Já tive dez pessoas me atacando de uma vez. Minha cabeça foi ferida com uma garrafa. Quando uso a violência é porque a violência é usada contra mim, então, é o troco", disse Rebecca, integrante de uma gangue em Londres.

Ela fuma e vende maconha desde os 13 anos de idade e começou a vender drogas mais pesadas desde que deixou a escola.

"Quando você está envolvida com drogas pesadas e vende essas drogas, vem os crimes com armas de fogo, facas, tudo isso."
O leste de Glasgow tem uma das taxas mais altas de crimes com facas da Europa ocidental. A predominância dos crimes é entre jovens homens brancos, mas nos últimos anos, houve uma mudança nesta tendência.

Segundo assistentes sociais de um projeto para jovens na cidade escocesa, crianças de sete anos de idade já estão sendo arrastadas para a violência e cada vez mais meninas se envolvem com as gangues.

"Hoje em dia, as meninas se juntam às gangues para tentar fazer amigos. Acredito que elas sintam que precisam ser parte de alguma coisa - elas não têm autoconfiança ou autoestima", disse uma das assistentes, Stephanie Brady.

Há uma diferença aparente entre a violência entre gangues de Glasgow e Londres, no entanto: as disputas na cidade escocesa não estão ligadas a drogas - são apenas brigas alimentadas pelo álcool.

Família como alvo
"Está piorando cada vez mais", disse Louise, de 16 anos, que entrou para uma gangue aos 13 anos.

"As meninas são tão ruins quanto os garotos. Elas vão e começam, algumas delas se vestem como rapazes, agem como rapazes e saem por aí esfaqueando outras meninas, batendo nelas e rindo, só escolhendo as vítimas."
Uma vez dentro de uma gangue, a integrante não ousa sair de seus domínios. Louise cometeu um erro e começou a namorar um menino que morava em outra área. A gangue foi atrás da família dela.

"Minha mãe foi atacada quando eu não estava em casa. Bateram nela", disse a jovem.

"Ela tinha ferimentos por todo o rosto, seu olho estava inchado... ela ficou apavorada, com medo de ficar em nossa casa."
Em Glasgow, pelo menos, as jovens escapam da violência sexual, apesar de a prática de sexo entre menores, alimentada pelo consumo de álcool e drogas, ser cada vez mais comum.

Em Londres e Glasgow, essas meninas são a segunda ou terceira geração de famílias associadas com gangues - elas não conhecem outra vida, tendo nascido e crescido em meio ao crime.

Este é um mundo praticamente desconhecido da sociedade britânica, e só agora a questão das gangues começa a chamar a atenção dos políticos do país.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host