UOL Notícias Notícias
 
11/03/2010 - 11h13

Japão está em estado de alerta para chegada de novos tsunamis

A Agência Nacional Meteorológica do Japão afirmou nesta sexta-feira que o país pode ser atingido por novos tsunamis.

O alerta foi acionado horas após o país ser violentamente sacudido pelo maior terremoto de sua história, que provocou um enorme tsunami, deixando um cenário de destruição.

A tragédia ja provocou a morte de 39 pessoas e deixou ao menos 40 desaparecidas.

A informação de que novos tsunamis podem atingir o país foi dada por Hirofumi Yokoyama, um porta-voz da Agência Nacional Meteorológica do Japão.

''Mais tsunamis estão sendo aguardados. Portanto, nas áreas em que foram feitos alertas de tsunami, por favor permaneçam vigilantes'', afirmou Yokoyama.

Ele afirmou ainda que as pessoas que foram retiradas da região leste do país não devem tentar voltar para os locais em que residiam.

''Por favor, permaneçam nos locais para onde foram deslocados e para áreas onde os tsunamis ainda não chegaram. Existe uma grande probabilidade de que grandes tsunamis possam ocorrer, portanto tenham cuidado'', acrescentou.

Por volta das 15h (horário local) desta sexta-feira, o país foi atingido por um terremoto de magnitude 8.8 (medido pela Agência Meteorológica do Japão, que revisou a magnitude divulgada anteriormente, de 8.4).

O terremoto foi o maior da história do Japão, e o sétimo em escala mundial, de acordo com a Agência de Pesquisa Geológica dos EUA.

O epicentro foi na costa próxima à província de Miyagi, a 373 quilômetros da capital, Tóquio.

Logo após o terremoto, a agência meteorológica do país emitiu alerta de tsunami para ondas de até 10 metros em toda a costa do Pacífico.

Usinas nucleares
No começo da noite (horário local), o governo declarou estado de emergência devido a uma falha do sistema de resfriamento de uma usina nuclear, segundo a agência de notícias Associated Press.

Mas autoridades do país dizem não haver risco de vazamento radiativo na Usina Nuclear Fukushima Daiishi, de Tóquio.

As quatros usinas nucleares mais próximas ao epicentro foram lacradas de forma segura, segundo a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

A costa oeste dos Estados Unidos também está sob alerta para a chegada de ondas gigantes.

As ondas podem atingir também um total de 20 países, entre eles as Filipinas, a costa pacífica da Rússia, a Indonésia, Taiwan e mesmo países da América do Sul como o Chile, Colômbia, Equador e Peru.

Proporção
O epicentro do abalo se deu no fundo do mar, a uma distância de 160 quilômetros da costa, no mesmo local onde ocorreu um terremoto de 7,3 graus na última quarta-feira.

A TV pública japonesa NHK mostrou imagens de barcos e carros sendo arrastados pelo tsunami na região mais a leste de Tóquio. Havia informações não confirmadas de que um navio com cem pessoas a bordo teria sido varrido pelo tsunami.

Em Chiba, tanques de uma companhia de gás pegaram fogo e havia risco de explosão na área.

A rede TBS mostrou um prédio em chamas na ilha futurística de Odaiba, em Tóquio.

Os trens e o metrô pararam de circular e milhares de pessoas deixaram os altos edifícios comerciais da capital, lotando as ruas.

Em 1933, um terremoto de magnitude 8,1 atingiu a região metropolitana de Tóquio e matou mais de 3 mil pessoas.

Os tremores de terra são comuns no Japão, um dos países com mais atividades sísmicas do mundo, já que está localizado no chamado "anel de fogo do Pacífico".

O país é atingido por cerca de 20% de todos os terremotos de magnitude superior a 6 que acontecem no mundo.

Tremor de 8,9 de magnitude foi um dos mais fortes da história

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host