UOL Notícias Notícias
 

15/03/2010 - 14h41

Aliados de Uribe vencem eleição parlamentar na Colômbia

Resultados preliminares das eleições do domingo para renovar o Parlamento da Colômbia e para o Parlamento Andino (órgão de deliberação da Comunidade Andina de nações), divulgados nesta segunda-feira, indicam uma vitória de aliados do presidente Álvaro Uribe.

Os dois partidos mais votados são aliados na coalizão de governo e atualmente dominam o Congresso do país. Em primeiro ligar na preferência dos eleitores ficou o próprio partido de Uribe, o Partido de la U.

Também faz parte da aliança o novo Partido de Integração Nacional (PIN), que ficou em quarto lugar, apesar das repetidas acusações de envolvimento da agremiação com pessoas ligadas a grupos paramilitares de direita.

O pleito teve uma baixa votação para partidos independentes e marcou também o recuo do partido de esquerda Polo Democrático Alternativo (PDA).

Nas eleições de domingo, estavam em jogo 102 cadeiras no Senado, 166 na Câmara de Representantes e cinco no Parlamento Andino. Também houve votação para definir os candidatos presidenciais dos partidos Verde e Conservador.

Consulta
"Os resultados das eleições confirmam de uma forma muito contundente a virada para o conservadorismo da Colômbia", disse à BBC Carlos Gaviria, que em 2006 foi o candidato presidencial do oposicionista PDA.

Gaviria afirma que os resultados se devem aos muitos candidatos que apostaram no discurso centrista e ao fato de a "esquerda ter ficado abandonada".

O aumento do número de votos para os conservadores também foi atribuído ao fato de que no domingo se realizou também a consulta para escolher o candidato presidencial do partido, o que "atrelou muitos votos", de acordo com Elisabeth Ungar, diretora da organização Transparência para Colômbia.

Até o momento ainda não está claro quem será o candidato conservador à Presidência, o ex-ministro Andrés Felipe Airas ou a ex-chanceler Noemí Sanin. A indefinição ocorre devido ao fato de a diferença de votos entre os dois ser muito pequena e a contagem avançar muito lentamente.

A não ser por alguns incidentes atribuídos às guerrilhas e paramilitares, além das denúncias de irregularidades nas votações em certas regiões, as autoridades informaram que a votação de domingo ocorreu dentro do normal.

Violência e compra de votos
O ministro da Defesa, Gabriel Silva, disse que "estas foram as eleições menos violentas dos últimos 30 anos".

Segundo o ministro do Interior e Justiça, Fabio Valencia, os "atos terroristas" tiveram uma redução de 92% em relação às eleições legislativas de 2006.

A ONG Missão de Observação Eleitoral (MOE), com 7 mil representantes em todo o país, também disse à BBC que a violência foi menor do que o esperado.

Entretanto, um integrante da MOE, Pedro Santana, disse que "houve grande compra de votos por parte de certos partidos políticos, na sua maioria, da coalizão de governo".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host