UOL Notícias Notícias
 
25/03/2010 - 12h14

Paraguaia recupera bebê roubado após oferta falsa de emprego na Argentina

A filha de Sandra Portillo tinha menos de 2 meses quando foi sequestrada
Uma paraguaia conseguiu reencontrar a filha sequestrada na Argentina após uma falsa oferta de emprego.

Sandra Portillo, de 19 anos, reencontrou na quarta-feira em Buenos Aires a filha de 7 meses, sequestrada no ano passado por uma quadrilha formada por paraguaios e argentinos.

Atraída por uma falsa promessa de emprego, Portillo desembarcou na Argentina em setembro com a filha, Liz Sebastiana, quando esta tinha pouco menos de dois meses de idade.

Pouco depois, seus supostos empregadores disseram que ela deveria deixar a bebê numa clínica para fazer alguns exames.

Ela os obedeceu e em seguida foi sequestrada. "Passei duas semanas sequestrada e consegui fugir e denunciar o roubo da minha filha à polícia", disse Portillo, às lágrimas, durante uma entrevista coletiva.

Enquanto isso, segundo os policiais, Liz foi vendida para um casal argentino.

"Eu já não tinha mais esperanças. E quando me ligaram eu demorei a acreditar que fosse verdade. Liz está muito maior do que quando nos separamos", afirmou, abraçada à menina.

Sem esperanças
O reencontro foi no Palácio de Justiça, na capital argentina. "Foi impressionante. Todos choramos. O juiz, a secretária, eu, a mãe. Todos. Foi emocionante", disse o delegado Ricardo Arancedo, da Divisão de Delitos contra Menores da Superintendência da Polícia Federal.

Na ocasião, Portillo contou à imprensa que é mãe solteira e que morava em um bairro carente de Assunção, capital do Paraguai. Um vizinho, também paraguaio, ofereceu-lhe o falso emprego em Buenos Aires.

A exemplo de tantas outras paraguaias que vivem na capital argentina, a suposta oferta era para trabalhar como doméstica em casas de família.

A paraguaia disse que os três - ela, a bebê e o vizinho - viajaram de ônibus de Assunção a Buenos Aires.

O delegado explicou como o vizinho e os supostos empregadores enganaram a jovem.

"Ela concordou (em levar a filha à clínica) e a médica que atendeu a bebê disse que a menina tinha asma e deveria ficar internada. Mas a médica era uma das donas do estabelecimento e fez uma certidão (falsa) para que a bebê fosse adotada por um casal argentino."
Segundo Arancedo, a mãe da criança foi levada para um hotel e de lá para um bairro afastado nos subúrbios de Buenos Aires, chamado Cidade Oculta, de onde conseguiu fugir e telefonar para familiares.

"Liguei para minha cunhada e contei tudo o que tinha acontecido e depois procurei a polícia", disse.

Escutas
O delegado afirmou que escutas telefônicas permitiram localizar os acusados, desvendar a quadrilha e achar a bebê.

No mês passado, a polícia encontrou uma bebê que já tinha identidade argentina, com pessoas suspeitas, e determinou exames de DNA que indicaram que ela é "99,9%" filha de Portillo.

Cinco pessoas foram presas, entre elas, os donos da clínica na localidade de Wilde e o casal que tinha pago pela bebê.

"O reencontro foi impressionante. Todos choramos. O juiz, a secretária, eu, a mãe. Todos. Foi emocionante", disse o delegado.

Portillo disse que ainda não sabe se continuará em Buenos Aires ou se retornará para Assunção. Ela também contou que nunca mais viu o vizinho que tinha lhe prometido "emprego".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,79
    3,152
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h22

    1,18
    65.148,35
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host