UOL Notícias Notícias
 
25/03/2010 - 07h21

Vendas de aparelhos para medir radioatividade disparam na França

Preocupação com radioativiade aumentou procura pelos aparelhos
As vendas de contadores Geiger, aparelho usado para medir níveis de radioatividade, dispararam na França após a notícia de que uma nuvem com radiação vazada da central nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão, estaria avançando sobre o país europeu.

Apesar de o aparelho custar centenas de reais, empresas francesas que vendem ou alugam esse equipamento dizem que estão com problemas de falta de estoque até o final de abril ou maio.

"Normalmente, vendemos, em média, 50 contadores Geiger por ano. Mas, em pouco menos de duas semanas, já vendemos 800 unidades", disse à BBC Brasil Jérémy Blumenstein, gerente da JR International, empresa de equipamentos eletrônicos com sede na cidade de Toulouse, no sudoeste da França.

Boa parte dos franceses desconfiam das declarações oficiais de que a nuvem radioativa de Fukushima - que chegou à França na quarta-feira, segundo a Autoridade de Segurança Nuclear do país - não teria efeitos nocivos à saúde e sobre os alimentos.

Desconfiança
Na raiz dessa desconfiança está a forma como o governo lidou com a ameaça de contaminação radioativa após o acidente na usina nuclear de Chernobyl, ocorrido na atual Ucrânia em 1986 e considerado o pior acidente nuclear da história.

Na ocasião, as autoridades francesas foram acusadas de minimizar as consequências da nuvem radioativa que atingiu a França, sobretudo o leste do país e a Córsega, no Mediterrâneo.

O governo francês afirmou na época - assim como está dizendo atualmente, após o caso de Fukushima -, que não havia necessidade de adotar medidas para proteger a população dos efeitos da radioatividade.

No entanto, foram observados níveis de radioatividade acima do normal em várias partes do país e até agora ainda é altamente contestado se o governo estava certo.

Na França os contadores podem custar mais de mil reais
A partir dos anos 2000, centenas de pessoas, muitas delas com câncer, entraram na Justiça acusando o Estado de não ter informado corretamente a população sobre os riscos ligados à catástrofe de Chernobyl.

"Os franceses querem se tranquilizar e preferem checar eles mesmos os níveis de radioatividade no ar", diz Blumenstein.

Em destaque
A demanda pelos contadores Geiger é tanta que a JR International colocou o equipamento até então pouco vendido em destaque em seu site, onde informa sobre os problemas de estoque.

A empresa receberá um novo lote do modelo do produto que tem o preço mais baixo, 249 euros (cerca de R$ 573), em 22 de abril, mas diz que tudo já foi vendido ou reservado e que esse aparelho só estará disponível novamente a partir de 29 de abril.

Somente os contadores Geiger mais caros, com preços entre 400 e 450 euros (de cerca de R$ 920 a pouco mais de R$ 1 mil), estarão disponíveis nos próximos dez dias, afirma Blumenstein.

A empresa Conrad também enfrenta falta de estoque de contadores Geiger e não pode entregar o aparelho antes do prazo mínimo de um mês.

A Prorata, especializada no aluguel de equipamentos científicos, não dispõe mais de contadores Geiger para alugar até a terceira semana de abril, diz Christophe Salgueiro, da área comercial.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,45
    3,141
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,39
    64.684,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host