UOL Notícias Notícias
 

19/04/2010 - 17h28

União Europeia reduzirá restrição a voos nesta terça-feira

A União Europeia reduzirá a área de seu espaço aéreo fechada para voos comerciais a partir das 8h GMT desta terça-feira (5h, em Brasília), informou nesta segunda-feira o comissário de Transportes do bloco, Siim Kallas, depois de manter uma reunião por vídeoconferência com os ministros europeus do setor. Segundo Kallas, a Eurocontrol, agência que monitora o tráfego aéreo na Europa, será responsável por estabelecer três diferentes zonas de trânsito, de acordo com o risco que representam para as aeronaves. Na chamada zona vermelha será mantida a proibição total de atividade aeronáutica, enquanto na zona livre de cinzas o trânsito estará liberado. A novidade é a delimitação da segunda zona, na qual a presença da fumaça vulcânica não chega a ser perigosa para as aeronaves. As companhias aéreas terão liberdade para decidir utilizar essa faixa do espaço aéreo europeu, sempre em coordenação com as autoridades nacionais e desde que respeitem a obrigação de reforçar os controles posteriores a cada voo, a fim de assegurar que se cumpram as condições de segurança. A abrangência de cada área será definida "nas próximas horas" e atualizada a cada seis horas, com base na evolução da situação, explicou em entrevista coletiva o ministro espanhol de Transportes, José Blanco López, cujo país exerce a presidência de turno da UE. Leia mais na BBC Brasil: Europa começa a retomar voos e abrir espaço aéreo Normalização Com esta medida, a Eurocontrol estima que nesta terça-feira poderão ser realizados entre 40% e 45% dos voos previstos normalmente. Esta proporção pode chegar a 60% na quarta-feira. De acordo com a agência, na segunda-feira foram realizados apenas 30% dos cerca de 28 mil voos programados. A iniciativa da UE responde às críticas feitas por companhias aéreas, que vêm enfrentando prejuízos de cerca de US$ 200 milhões (R$ 350 milhões) por dia, de acordo com estimativas da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês). A Comissão Europeia, órgão Executivo do bloco, criou um comitê especial para avaliar o impacto econômico da crise e espera divulgar as primeiras conclusões ainda nesta semana. Ao mesmo tempo, o comissário de Competitividade, Joaquín Almunia, que regula a livre-concorrência no bloco, afirmou que a instituição estuda permitir a concessão de ajudas estatais para cobrir os prejuízos das companhias afetadas, a exemplo do que fez em setembro de 2001, quando os atentados nos Estados Unidos levaram ao fechamento generalizado do espaço aéreo europeu. A Comissão Europeia também recomendou que os governos dos países da UE concedam gratuitamente vistos aos viajantes que se viram obrigados a permanecer ou a entrar em território europeu ou estendam "até a normalização da situação" aqueles vistos que venceram a partir do dia 15 de abril, quando o trânsito aéreo começou a ser suspenso. Dessa maneira, o órgão espera resolver o problema de muitos turistas que passavam por um país europeu em trânsito e, com o cancelamento de seus voos de conexão, foram obrigados a passar a noite nos aeroportos por não terem um visto de entrada. O Executivo da UE também afirmou estar estudando maneiras de ajudar os passageiros afetados a chegar a seu destino final "por diferentes meios de transportes".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,38
    3,156
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h22

    0,41
    65.277,38
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host