UOL Notícias Notícias
 

06/05/2010 - 22h59

Resultados iniciais apontam vantagem dos conservadores

Os primeiros resultados das eleições gerais da Grã-Bretanha, realizadas nesta quinta-feira, indicam que o Partido Conservador, liderado por David Cameron, pode ser a principal legenda de um Parlamento "enforcado", ou hung Parliament - ou seja, sem maioria clara.

Os conservadores esperam conquistar mais da metade das cadeiras na Câmara dos Comuns (a Câmara baixa), o que garantiria a maioria necessária para governar e escolher um primeiro-ministro.

Os resultados iniciais indicam que os conservadores já conquistaram alguns assentos que pertenciam aos partidos Trabalhista e Liberal Democrata no Parlamento e demonstram uma performance melhor do que o previsto por uma pesquisa de boca-de-urna realizada pela BBC e outras emissoras de televisão britânicas.

A sondagem, divulgada logo após o fechamento das urnas, às 22h (18h em Brasília), indica uma vantagem do Partido Conservador, mas sugeria que os conservadores ficariam a 21 cadeiras de obter a maioria no Parlamento. Eles teriam garantido 305 cadeiras, contra 255 dos trabalhistas e 61 dos liberais democratas. Os nacionalistas e outros partidos terão, juntos, cerca de 29, de acordo com o levantamento.

Se as projeções forem confirmadas, nenhum partido terá conseguido a maioria simples de 326 cadeiras, levando ao que os britânicos chamam de hung Parliament, o que significa que o governo não conseguiria aprovar leis sem o apoio de membros de outros partidos..

A pesquisa tem uma margem pequena de erro, mas analistas afirmam que a diferença pode ser significativa em uma disputa tão acirrada como esta.

O correspondente da BBC para assuntos políticos Rob Watson disse que os resultados iniciais apresentam um "cenário confuso".

Um dos resultados já confirmados indica que o chefe de governo da Irlanda do Norte e líder do Partido Unionista Democrático (PUD), Peter Robinson, perdeu sua cadeira no Parlamento para Naomi Long, do Partido da Aliança.

Já o atual primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, foi novamente eleito como membro do Parlamento da constituinte de Kirkcaldy, com quase 5 mil votos. Em um discurso após o anúncio do resultado, ele afirmou que "não há privilégio maior do que representar no Parlamento as pessoas com quem você cresceu".

Comparecimento Ainda não há detalhes sobre o índice de comparecimento às urnas, mas há relatos de longas filas nos postos de votação.

No distrito eleitoral do líder dos liberais democratas, Nick Clegg, alguns eleitores esperaram cerca de três horas para votar. Em outro distrito eleitoral ao norte da Inglaterra, eleitores ainda faziam fila do lado de fora dos postos de votação trinta minutos antes do fechamento das urnas.

Centenas de eleitores não conseguiram votar em várias cidades depois de enfrentarem filas nos postos de votação pouco antes do fechamento das urnas. Somente na cidade de Manchester, no norte da Inglaterra, 200 pessoas não puderam votar. No bairro de Hackney, no leste de Londres, cerca de 50 pessoas foram impedidas de votar após enfrentarem filas nos postos de votação.

A Comissão Eleitoral afirmou que fará uma investigação sobre o que aconteceu nesses locais. Em um comunicado, o órgão afirmou que "deveria haver recursos suficientes para garantir que todos que quisessem, fossem capazes de votar".

Segundo o editor de política da BBC Nick Robinson, o resultado pode ser contestado nessas regiões por candidatos que ficarem a poucos votos da vitória..

Mais de 44 milhões de pessoas estavam registradas para votar, mas o voto não é obrigatório.

O pleito deve eleger parlamentares e representantes distritais em 164 áreas em toda a Inglaterra. No total, há quase 4.150 candidatos nestas eleições.

A grande maioria dos distritos vai realizar as apurações durante a noite, mas vinte deles só deverão começar o processo na manhã de sexta-feira.

Sistema eleitoral A eleição é vista como a mais acirrada na Grã-Bretanha desde 1992. David Cameron tenta chegar ao poder após 13 anos de governo dos trabalhistas.

O sistema eleitoral britânico favorece o bipartidarismo, com o Partido Trabalhista - do atual primeiro-ministro Gordon Brown e de seu predecessor, Tony Blair - e o Partido Conservador (que esteve no poder entre 1979 e 1997, com Margaret Thatcher e John Major) figurando como as principais agremiações.

O Partido Liberal Democrata aparece como a terceira força, com uma votação histórica bastante inferior à dos trabalhistas e dos conservadores.

Os liberal-democratas poderão fazer a diferença, porém, no caso de um Parlamento sem maioria clara, formando possivelmente um governo de coalizão com os trabalhistas ou com os conservadores.

Os pequenos partidos nacionalistas do País de Gales e da Escócia também poderiam ter um papel importante em uma eventual coalizão.

O partido que consegue eleger o maior número de deputados no Parlamento com 650 cadeiras tem o direito de formar o novo governo, com o líder do partido como primeiro-ministro.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host