UOL Notícias Notícias
 

12/05/2010 - 18h56

Lula inicia na Rússia giro que tem Irã como tema principal

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarca em Moscou, nesta quinta-feira, tendo o programa nuclear iraniano como um dos principais temas de seu encontro com o presidente russo, Dmitri Medvedev.

Segundo o Itamaraty, a Rússia tem dado "indicações" de que considera "positiva" a iniciativa do presidente Lula de tentar avançar nas conversas com Teerã sobre seu enriquecimento de urânio.

O encontro bilateral ocorre a poucos dias da visita oficial do presidente Lula ao Irã, programada para os dias 16 e 17 de maio. Antes de chegar a Teerã, Lula faz ainda uma parada de um dia no Catar.

Considerada a segunda maior potência nuclear do planeta - atrás apenas dos Estados Unidos - a Rússia faz parte do grupo de países (o chamado P5+1) que vinha liderando as negociações com o Teerã nos últimos anos.

Além disso, como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a Rússia está entre os países que podem vetar uma nova rodada de sanções econômicas a Teerã, apesar de Moscou já ter sinalizado estar de acordo com certos tipos de penalidades.

Sanções O embaixador do Brasil em Moscou, Carlos Antonio da Rocha Paranhos, disse que o governo russo concorda com a posição brasileira de que as possibilidades de diálogo "ainda não estão totalmente esgotadas" e que a Rússia não defende sanções "de forma automática".

Para ele, o governo russo acredita na "capacidade de interlocução" e na "credibilidade" do presidente brasileiro nas tentativas de um novo entendimento com Teerã.

"Existe uma expectativa (do governo russo) quanto à visita do presidente Lula a Teerã. Para eles (russos), o presidente Lula tem credibilidade para alcançar um compromisso do lado iraniano que permita retomar o diálogo em relação ao programa nuclear", disse Paranhos.

Ainda segundo o embaixador, os russos são contrários a sanções "extremamente danosas". "Eles têm insistido que novas sanções não devem paralisar a economia iraniana ou causar problemas sérios à população." Tecnologia Durante um encontro nesta sexta-feira, os presidentes Lula e Medvedev assinarão um "plano de ação" entre os dois países em diversas áreas, sobretudo em tecnologia.

Na avaliação de Paranhos, um dos grandes potenciais de avanço na relação entre Brasil e Rússia está na exploração da camada do pré-sal.

"Os russos sabem que sua tecnologia no transporte do gás liquefeito, por exemplo, pode interessar a Petrobras", disse o embaixador.

Mas segundo ele, o Brasil terá de romper com "certos estereótipos" se quiser avançar nas relações comerciais com a Rússia.

"Há muito preconceito de que a Rússia é uma 'caixa-preta', de que o país não transfere tecnologia", disse. "Essas visitas contribuem para desfazer esses estereótipos", acrescentou o embaixador.

No ano passado, o fluxo de comércio entre os dois países caiu praticamente pela metade em função da crise econômica internacional, mas segundo Paranhos, essa relação "está sendo retomada".

Em 2009, as trocas comerciais entre Brasil e Rússia somaram US$ 4,3 bilhões, contra US$ 8 bilhões do ano anterior. Apesar das vendas menores em 2009, a diferença ficou positiva para o Brasil em US$ 1,4 bilhões.

Também nesta sexta-feira, os dois presidentes deverão anunciar o fim da necessidade de visto para passaportes comuns nas chamadas estadias de curta duração (90 dias), a partir de junho.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    1,02
    3,178
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,90
    67.976,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host