UOL Notícias Notícias
 

17/05/2010 - 19h27

Descrença em acordo é de países que 'satanizam' Irã, diz Garcia

O assessor especial para assuntos internacionais da Presidência, Marco Aurélio Garcia, disse nesta segunda-feira que alguns governos não estão dispostos a acreditar em um acordo nuclear com o Irã porque "acham que o Irã é Satã".

Garcia se referiu ao ceticismo a respeito do acordo mediado por Brasil e Turquia em que o Irã se comprometeu a enviar urânio para fora de seu território para obter em troca urânio com maior grau de enriquecimento.

"O ceticismo não é daqueles (países) que são céticos, mas daqueles que não querem que haja acordo", afirmou ele à imprensa brasileira em Madri, para onde viajou para participar da cúpula Mercosul-União Europeia.

"A minha impressão é que determinados países esperam que as sanções mudem a situação interna do Irã. É uma hipótese profundamente equivocada." Primeiro passo Garcia disse que não vê problemas no fato de o Irã ter anunciado que irá continuar a enriquecer urânio, apesar do acordo. O fato poderia justificar a necessidade de novas sanções contra o país persa, mesmo em vista do novo desdobramento.

"Se as sanções fossem votadas, a Rússia iria votar uma sanção deste tamanhozinho (gesticulando com os dedos indicador e polegar quase juntos). A China não fala, mas sabemos que iria também nessa direção." O assessor da Presidência disse que o acordo fechado com a mediação do Brasil é apenas o primeiro passo para alcançar um consenso internacional. E que nenhum dos três participantes do acordo (Brasil, Turquia e Irã) considera o problema completamente resolvido.

Segundo Garcia, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, entendeu que Brasil e Turquia apresentaram "uma oportunidade" para que o Irã saísse do isolamento por meio de "interlocutores que não estavam lá para satanizá-los".

Ele afirmou também que o Brasil está otimista com o acordo, que definiu como "um trabalho fantástico", e espera agora que as negociações sigam em outro clima.

"Todo mundo tem que entender que o conflito não está resolvido", disse.

Telefonemas Depois da assinatura do acordo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva telefonou para o presidente francês Nicolas Sarkozy, com quem terá um encontro bilateral nesta terça-feira em Madri.

O segundo procurado pelo governo brasileiro foi o governo dos Estados Unidos. O ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, entrou em contato com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton.

Em uma conversa por telefone com a imprensa brasileira, o chanceler disse que "ela (Clinton) tem dúvidas sobre o acordo".

Amorim acha que o Irã fez concessões, que o pacto considera todos os itens destacados pelo presidente Barack Obama numa carta abordando o tema enviada a Lula há um mês e que o momento agora "é de dar um tempo para as coisas acontecerem".

Francesa O chanceler explicou ainda que o ponto principal para desbloquear o acordo, articulado pelo Brasil há seis meses, foi a liberação da francesa Clotilde Reiss, presa no Irã desde o ano passado.

"Sarkozy disse em Manaus que (a prisão da professora) era um impedimento e nos comprometemos a mediar. Eu acho que o Brasil foi absolutamente fundamental, e o presidente Sarkozy agradeceu a Lula esta mediação", disse.

O presidente Lula - que já chegou a Madri, onde nesta terça-feira participa da Cúpula entre União Europeia, América Latina e Caribe -, falou por telefone também com o presidente russo Dmitry Medvedev para explicar as bases do acordo com o Irã.

Segundo o Itamaraty, Medvedev se comprometeu em falar com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e recomendou a Lula fazer o mesmo.

O governo brasileiro disse ainda que o presidente russo afirmou que terá tempo para estudar o acordo e a mensagem principal é que o Irã começou a dar passos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host