UOL Notícias Notícias
 

19/05/2010 - 15h41

Novo livro acusa Air France de falhar na prevenção de acidentes

Um livro lançado nesta quarta-feira na França, escrito por um jornalista do jornal francês Le Figaro, aponta falhas na política de segurança da companhia Air France e sugere que o acidente com o voo AF 447, há quase um ano, poderia ter sido evitado se a empresa tivesse equipado seus aviões com um sistema de pilotagem de emergência, como havia feito sua concorrente Lufthansa em 2008.

No livro La Face Cachée d'Air France (literalmente "A Face Oculta da Air France", mas ainda sem previsão de título em português), o jornalista Fabrice Amedeo, especialista do setor de transportes do Le Figaro, afirma que a direção da empresa deve realizar "uma verdadeira revolução cultural para evitar um novo acidente que representaria o seu fim".

"A Air France enfrenta um paradoxo. Ela possui uma frota de aviões ultramoderna, pilotos e um sistema de manutenção que estão entre os melhores do mundo, mas estatísticas de segurança de uma companhia de segunda categoria", diz o autor do livro. Em um comunicado divulgado nesta quarta-feira, a Air France afirma que "respeita todas as regulamentações nacionais e internacionais em vigor" e acrescenta que a segurança da companhia "corresponde aos padrões mais exigentes da indústria aeronáutica mundial".

Números Na avaliação de Fabrice Amedeo, "todos os números convergem para a mesma constatação, a de que a Air France, em termos matemáticos, é menos segura do que seus concorrentes".

Segundo o jornalista, a Air France registra, nos últimos dez anos, um índice de 0,9 acidentes aéreos por cada milhão de etapas realizadas.

"Esse número é maior do que a média mundial, de 0,7, das 230 companhias da Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA). Seus concorrentes diretos, British Airways e Lufthansa, têm, respectivamente, 0,3 e zero", afirma Amedeo.

Nos últimos dez anos anos, a Air France registrou duas grandes catástrofes aéreas: a do Concorde, em 2000, que matou 113 pessoas, e a do voo AF 447 no ano passado, que caiu sobre o Atlântico no dia 31 de maio (pelo horário brasileiro), com 228 pessoas a bordo.

Segundo Amedeo, o Escritório de Arquivos de Acidentes Aeronáuticos classifica a Air France, com 1.785 mortos em catástrofes, como a segunda companhia que mais registrou mortes na história da aviação civil, atrás apenas da russa Aeroflot.

O autor diz também que, antes do acidente com o voo AF 447, a Air France já estava apenas na 21ª posição entre as companhias aéreas europeias mais seguras e na 65ª em escala mundial, segundo levantamento do site Planecrashinfo.

Aprender com erros O livro afirma, com base em entrevistas, que se a Air France tivesse equipado seus aviões com o sistema de pilotagem Buss (Back-up Speed Scale), "o acidente com o voo AF 447 poderia talvez ter sido evitado".

Esse sistema é acionado quando os sensores de velocidade do avião, os chamados tubos Pitot, deixam de funcionar - como, de acordo com as investigações, aconteceu no voo Rio-Paris.

Com o sistema Buss, os pilotos não obtêm mais dados precisos sobre a velocidade do avião, mas podem continuar sua trajetória em segurança, afirma o autor.

As investigações revelaram até o momento que falhas nos tubos Pitot representaram "um elemento, mas não a causa do acidente".

"A Air France se recusou a instalar o equipamento, solicitado por inúmeros pilotos, alegando que ele não era confiável", diz Amedeo.

Comando O livro do jornalista do Le Figaro também aponta falhas no comando da empresa, afirmando que vários incidentes do mesmo tipo, como problemas nos sensores de velocidade, ocorreram repetidas vezes.

Isso seria, na opinião de Amedeo, reflexo de "uma companhia que não aprende com os erros e não questiona seus fundamentos nem sua organização".

A Air France, no comunicado em resposta ao livro, afirma ter lançado neste ano o projeto "Trajectoire", destinado a "propor e estudar iniciativas para melhorar a segurança".

"Até o acidente com o voo AF 447, a Air France nunca havia analisado de maneira sistemática as causas dos acidentes, uma análise que a levaria a reformular profundamente as estruturas de comando", diz Amedeo.

A Air France anunciou nesta quarta-feira um prejuízo recorde de 1,55 bilhão de euro (cerca de R$ 3,4 bilhões) no ano fiscal 2009-2010 - encerrado em março. "Foi um ano horrível", afirmou o presidente da empresa, Pierre-Henri Gourgeon.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,71
    3,127
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,37
    64.938,02
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host