UOL Notícias Notícias
 

24/05/2010 - 19h46

EUA vão realizar exercícios militares com Coreia do Sul

Os Estados Unidos afirmaram nesta segunda-feira que vão realizar exercícios militares navais conjuntos com a Coreia do Sul após um relatório responsabiliar a Coreia do Norte por ter bombardeado um submarino sul-coreano, em março, matando 46 marinheiros.

Coreia do Norte aproxima-se da China para evitar estrangulamento econômico


O Pentágono disse que os exercícios teriam início "em um futuro próximo".

O porta-voz da instituição, Bryan Whitman, disse que a decisão foi tomada "como resultado das conclusões relativas ao recente incidente".

Mas o analista da BBC Jonathan Marcus diz que as medidas até agora sugeridas pela Coreia do Sul para punir o Norte por causa do incidente "não devem mudar a forma de pensar do governo em Pyongyang".

"As próximas semanas são repletas de oportunidades para novas tensões. O único país com influência sobre a Coreia do Norte é a China", diz ele.

Medidas
Nesta segunda-feira, a Coreia do Sul suspendeu o comércio com a Coreia do Norte exigindo um pedido de desculpas e a punição dos responsáveis pelo ataque ao navio.

O presidente da Coreia do Sul, Lee Myung-bak, afirmou que os responsáveis pelo ataque têm de ser punidos, e acrescentou que levará o caso ao Conselho de Segurança da ONU.

O líder sul-coreano também anunciou que os navios da Coreia do Norte serão banidos das águas do vizinho do sul e afirmou que, no caso de um novo ataque, vai exercer imediatamente o seu direito de defesa.

As medidas adotadas pela Coreia do Sul incluem: Interromper o comércio com a Coreia do Norte. Impedir navios norte-coreanos de usar águas sul-coreanas. Reiniciar a "guerra psicológica", com potentes auto-falantes transmitindo mensagens desde o seu lado da fronteira. Levar o incidente ao Conselho de Segurança da ONU. A China é o principal parceiro comercial da Coreia do Norte e, no passado, se mostrou relutante em adotar medidas mais duras contra o Estado comunista.

A Coreia do Norte depende da China e da Coreia do Sul para 80% de seu comércio e 35% de seu Produto Interno Bruto.

No ano passado, o comércio com os sul-coreanos representou 13% do PIB norte-coreano.

As medidas foram anunciadas menos de uma semana depois que especialistas dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália e Suécia concluíram, em um relatório, que o navio militar sul-coreano foi afundado depois de ser atingido por um torpedo.

De acordo com o relatório, partes do torpedo recuperadas do fundo do mar mostram um tipo de letra encontrado em outros torpedos norte-coreanos.

A Coreia do Norte nega qualquer envolvimento no incidente, afirmando que os resultados da investigação são uma "fabricação", e ameaçando com guerra, caso sejam impostas novas sanções.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    -0,22
    3,175
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    1,12
    65.403,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host