UOL Notícias Notícias
 

30/05/2010 - 13h49

Colômbia vai às urnas e se despede de 'Era Uribe'

Cerca de 30 milhões de eleitores são esperados nas urnas da Colômbia neste domingo para escolher o futuro presidente do país, em um pleito é visto como um dos mais disputados da história recente do país.

Dos nove candidatos que participam da disputa, o governista Juan Manuel Santos, do partido da "U" e Antanas Mockus, candidato do partido Verde, aparecem empatados na preferência dos eleitores - fator que pode levar a decisão a um segundo turno, cenário que não se repete há 12 anos.

Para o cientista político Pedro Medellín, neste domingo está em jogo a mudança do regime político na Colômbia.

"Colômbia tem que escolher se quer manter o regime clientelista, de troca de favores para definição de políticas ou um regime conformado por coalizões baseadas em argumentos", afirmou Medellín à BBC Brasil.

Santos e Mockus prometeram dar continuidade à política de segurança do presidente colombiano Álvaro Uribe, atacar o desemprego de 12%, um dos mais altos da América Latina, reduzir o déficit fiscal de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) e promover reformas sociais.

Calma As urnas foram abertas às 8h (10h de Brasília). Uribe foi um dos primeiros a votar, logo pela manhã, depositando seu voto numa seção eleitoral na praça Bolívar, no centro histórico de Bogotá, próximo ao palácio presidencial.

As primeiras horas de votação foram marcadas por uma relativa calma nas cidades, que amanheceram sob forte vigilância de 340 mil homens das forças de segurança.

Em declarações pela manhã, o ministro da Defesa, Gabriel Silva, disse que a votação seria "a mais pacífica dos últimos 30 anos".

Apesar disso, houve o registro de incidentes isolados, principalmente nas áreas rurais do país. Nos Departamentos (Estados) de Tolima e Valle del Cauca, no sudoeste do país, houve enfrentamentos entreo Exército e guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que deixou um guerrilheiro morto.

Dois soldados foram mortos em enfrentamentos nos Departamentos de Meta (centro do país) e Bolívar (norte).

O ministro do Interior, Fabio Valencia Cossio, disse que a Polícia Nacional desativou três artefatos explosivos antes da abertura das urnas.

Escândalos O candidato governista representa a continuidade do governo Uribe - que modificou a Constituição para candidatar-se à reeleição imediata, a primeira na história democrática do país - e conta com o apoio da máquina do Estado.

Santos disse que pretende ser recordado como o presidente "que deu trabalho aos colombianos".

Em meio a escândalos de corrupção e de envolvimento de políticos com paramilitares, Mockus se apresenta como o candidato que governará na legalidade e combaterá a corrupção.

É o preferido dos jovens eleitores jovens e o favorito nos grandes centros urbanos.

"Se trata da decisão de continuar o esquema de Uribe, segurança e mão dura acima de tudo e guerra contra as Farc e aqueles que consideram que a prioridade é resolver temas relacionados à corrupção, desemprego e saúde", afirmou à BBC Brasil, o analista político Camilo González, diretor da Fundação Indepaz.

"Há um esgotamento do projeto uribista para uma terça parte da população que é abertamente favorável a outro candidato, e outra terça parte continua leal ao presidente e tende a votar pelo candidato do governo. O percentual restante é que decidirá as eleições", acrescentou.

Uribe entregará a seu sucessor um país mais seguro que há oitos anos, porém com 20 milhões de pobres, em uma população de 44 milhões, com 3,5 milhões de pessoas vítimas de deslocamento forçado em consequência do conflito armado e com uma crise de credibilidade institucional, segundo analistas entrevistados pela BBC Brasil.

Suspeitas de fraude A suspeita de uma fraude eleitoral existe. Dois dias antes do pleito, o candidato governista Juan Manuel Santos foi visto em um restaurante com o presidente do sindicato da Registradoria colombiana, o equivalente ao Fórum Eleitoral, responsável pela contagem dos votos. O voto na Colômbia é manual.

O encontro provocou reações dos demais candidatos que questionaram a finalidade da reunião. Por meio de assessores, Santos disse ter expressado a necessidade de que trabalhadores da entidade se comprometessem a garantir eleições com "a maior eficiência possível e com absoluta transparência".

O diretor do Fórum Eleitoral, Carlos Sanchez, por sua vez, não descartou a possibilidade de fraude na contagem dos votos.

"Por mais esforços (que se faça), não se pode evitar a fraude. É uma conduta humana difícil de controlar", afirmou Sanchez em entrevista à revista Semana.

"O que sim devemos garantir é um sistema que permita descobrir (a fraude) e que não seja consumada", acrescentou.

Alerta máximo Os resultados das eleições serão divulgados a partir das 20h (22h em Brasília).

As Forças Armadas da Colômbia entraram em estado de alerta máximo para garantir a normalidade das eleições presidenciais, em especial, nos seis departamentos (estados) onde as guerrilhas têm mais influência.

No sábado, um atentado a bomba no departamento de Cauca deixou duas crianças mortas e outras quatro pessoas feridas.

O processo eleitoral será monitorado pela Organização de Estados Americanos (OEA) e por observadores colombianos.

Em um pleito considerado histórico, que determina o fim da era Uribe, espera-se que o índice de abstenção seja inferior à média de 50% registrada nas eleições anteriores.

O voto na Colômbia é facultativo.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host