UOL Notícias Notícias
 

02/06/2010 - 22h00

Obama pede revisão em política de energia dos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu que o Congresso aprove uma lei que fará uma revisão geral nas políticas de energia do país depois de vazamento de petróleo no Golfo do México.

Em um discurso nesta quarta-feira na Pensilvânia, Obama pediu que os congressistas aprovem o fim de isenção de impostos para companhias de petróleo e acrescentou que vai buscar apoio de republicanos e democratas para a reforma.

"Vou continuar a fazer campanha para uma energia limpa no futuro, onde e quanto eu puder", disse Obama. "Trabalharei com qualquer um para fazer isso." Obama também afirmou que poderá ficar provado que o vazamento "seja resultado de erro humano, ou de corporações que pegaram atalhos perigosos, comprometendo a segurança".

"Temos que reconhecer que existem riscos inerentes em perfurações a quatro milhas abaixo da superfície da Terra. Este riscos aumentam à medida que a extração de petróleo fica mais difícil", afirmou.

Nesta quarta-feira, a mancha de petróleo originária do vazamento do Golfo do México já foi vista a cerca de 15 quilômetros das praias de Pensacola, no noroeste da Flórida.

"É inevitável que a veremos (a mancha) nas praias", disse um porta-voz do governo local de Escambia, Flórida.

O vazamento teve início em 20 de abril quando uma plataforma da British Petroleum explodiu, matando 11 funcionários e despejando milhares de barris de petróleo diariamente na região.

O editor da BBC em Washington Mark Mardell diz que existe um crescente sentimento de frustração a medida em que as diversas tentativas da BP para conter o vazamento não funcionam.

Empresa A companhia tenta conter o vazamento cortando a tubulação danificada e a fechando, mas esta estratégia sofreu atrasos porque uma das serras ficou presa no solo do oceano, cerca de 1,5 quilômetro abaixo da superfície. A serra finalmente foi liberada e a companhia conseguiu seguir com a operação.

A última tentativa, e que estava sendo considerada a com maiores chances de sucesso, fracassou quando engenheiros não conseguiram injetar grandes quantidades de lama para estancar o vazamento, no final de semana.

A BP perfura um segundo poço para esvaziar o fluxo do vazamento, mas este só deve ficar pronto em agosto. O incidente já está sendo considerado o pior vazamento de petróleo da história dos Estados Unidos.

As ações da BP continuaram a cair nesta quarta-feira na bolsa de Londres, em meio a notícias de que a Justiça americana pode abrir processos criminais a respeito do vazamento.

A BP calcula que o vazamento já custou US$ 990 milhões em operações de limpeza do meio ambiente mas recusou-se a especular sobre futuros gastos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host