UOL Notícias Notícias
 

04/06/2010 - 20h37

Israel promete impedir navio de 'violar soberania' e ir a Gaza

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, disse nesta sexta-feira que "não há chance" de que o navio Rachel Corrie, que leva ajuda humanitária à Faixa de Gaza, chegue ao território palestino "sem uma checagem de segurança, sem checar a carga, sem saber ao certo (o que há a bordo)".

"Nós vamos parar o navio, e também qualquer outro navio que tente violar a soberania israelense", afirmou o chanceler.

A expectativa é de que o navio, que leva 11 passageiros, chegue à zona de exclusão marítima imposta por Israel no Mar Mediterrâneo na manhã deste sábado, horário local (madrugada no Brasil).

Israel alega temer que a carga - que inclui cimento, cadeiras de roda, equipamentos médicos, giz de cera e cadernos - também seja usada para fins militares pelo grupo islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza.

Na última segunda-feira, pelo menos nove pessoas morreram - oito turcos e um americano - em uma ação militar israelense de abordagem à frota de envio de ajuda para Gaza. Há informações de que o americano - que também tinha nacionalidade turca - morreu com vários tiros disparados de perto.

Centenas de ativistas foram presos e deportados de Israel desde então. O incidente provocou uma onda de críticas internacionais, e o Conselho de Segurança da ONU emitiu declaração pedindo que o caso seja investigado imediatamente, de forma "imparcial, crível e transparente".

Estados Unidos O governo americano manifestou sua preocupação com a possibilidade de mais violência ocorra no caso do Rachel Corrie.

Em uma nota, a Casa Branca diz que levar ajuda à população de Gaza é uma prioridade para os Estados Unidos, mas que "no melhor interesse da segurança de todos os envolvidos e para ajudar com segurança a população de Gaza, nós incentivamos todos a bordo do Rachel Corrie e de outras embarcações a seguir para (o porto israelense de) Ashdod para entregar sua carga".

"Todos querem evitar mais confrontação e uma repetição dos eventos trágicos de segunda-feira", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Philip Crowley.

"Estamos trabalhando com os israelenses. Estamos trabalhando com a Autoridade Palestina, com outros parceiros internacionais. Estamos vendo formas de garantir isso." "Nós esperamos ver o Rachel Corrie e outros navios colaborando com as autoridades israelenses para entregar esses materiais a Gaza", completou.

Crowley também disse que os Estados Unidos esperam ver alguma participação internacional na investigação a ser conduzida por Israel sobre o incidente com a frota que foi atacada na segunda-feira.

"Nós continuamos a conversar com Israel sobre como a investigação será conduzida, e, como a secretária (de Estado americana, Hillary Clinton), indicou, sobre a possibilidade de uma participação internacional, incluindo uma participação dos Estados Unidos." O governo de Israel já descartou publicamente a possibilidade de uma inquérito internacional sobre o ocorrido.

Turquia Também nesta sexta-feira, o governo da Turquia indicou que está estudando a possibilidade de reduzir relações com Israel devido ao incidente de segunda-feira.

Manifestando seu descontentamento com a ação israelense, o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, sugeriu que os israelenses desrespeitaram os preceitos de sua própria religião no ataque à frota.

"Estou me dirigindo a eles (israelenses) em sua própria língua. O Sexto Mandamento diz 'Não Matarás'. Não entenderam?", disse Erdogan em um discurso a simpatizantes de seu partido.

"Eu vou falar de novo. Vou falar em inglês: 'Thou Shall Not Kill'. Ainda não entenderam? Então vou dizer a vocês em sua própria língua. Vou dizer em hebreu 'Lo Tirtzakh'."

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,32
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,56
    63.760,62
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host