UOL Notícias Notícias
 

09/06/2010 - 07h40

Britânica é presa por dar chupeta com metadona a bebê

Uma mulher escocesa foi condenada a três anos de prisão por ter colocado a droga metadona na chupeta de uma criança de 10 semanas para que ela parasse de chorar. Susan Taylor, de 29 anos, havia admitido o crime em setembro do ano passado, mas o caso não havia sido divulgado porque a namorada de Taylor, Lynn Cowan, de 28 anos, também estava sendo julgada.

Casal fere seis com ácido sulfúrico na China

Um casal atacou seis pessoas às portas de um tribunal do sudoeste da China usando ácido sulfúrico, e feriu gravemente duas delas, uma semana depois que um homem se suicidou após matar com vários disparos três pessoas durante a realização de um julgamento no centro do país

Cowan, por sua vez, admitiu ter omitido dos médicos que a criança havia ingerido metadona. O casal, viciado em drogas, tomava conta do bebê regularmente no bairro de Leith, em Edimburgo. A criança não pode ser identificada por razões legais.

Lábios azuis
Durante o julgamento, foi revelado que a criança quase morreu. As duas mulheres assistiam televisão quando Cowan percebeu que o bebê não estava respirando. Seus lábios estavam azuis, e o rosto, cinzento.

Uma ambulância foi chamada e os médicos encontraram uma grande quantidade da droga - receitada a viciados em heroína na tentativa de ajudá-los a vencer o hábito - na urina do bebê. Os especialistas disseram que ainda é cedo para saber se haverá sequelas a longo prazo.

O bebê sofreu convulsões a caminho do Royal Hospital for Sick Children e foi mantido na unidade de terapia intensiva. A polícia foi chamada quando os testes revelaram a presença da droga no corpo da criança.

Gosto doce
Quando questionada, Taylor admitiu ter esfregado a chupeta do bebê no medidor que usava diariamente para tomar sua dose de metadona.

Um especialista em tóxicos, Robin Braithwaite, disse ao juiz que a metadona representa um alto risco para crianças porque tem sabor doce. A metade de uma colher de chá pode ser letal.

A promotoria citou um parecer do especialista dizendo que sem uma intervenção médica o bebê teria morrido. Mas a advogada de defesa de Taylor disse que sua cliente se sentiu "perturbada" pelo choro do bebê e não conseguiu acalmá-lo.

Segundo a advogada, Taylor não pretendia causar mal ao bebê e não tinha ideia de quão perigosa a droga poderia ser para uma criança.

Taylor já cumpre uma sentença de 26 meses de prisão por ter roubado a bolsa de uma mulher de 66 anos armada com uma faca.

 

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host