UOL Notícias Notícias
 

10/06/2010 - 15h46

Comandante da Otan diz que ação em Candahar será 'mais lenta'

O comandante das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão, o general americano Stanley McChrystal, afirmou nesta quinta-feira que as operações para neutralizar militantes do Talebã na região da cidade de Candahar, no sul do país, devem transcorrer de maneira mais lenta que o anteriormente planejado.

Em um discurso na sede da Otan em Bruxelas, McChrystal apresentou um balanço dos últimos doze meses de operações no Afeganistão e disse que as ações em Candahar serão retardadas de forma a garantir que elas tenham apoio da população local.

As forças americanas no Afeganistão esperavam completar a maior parte das operações em Candahar por volta do mês de agosto, mas, nesta quinta-feira, McChrystal não determinou um novo prazo para sua conclusão.

"Nós não mudamos o foco do que esperamos produzir em Candahar, assim como não mudamos a estrutura básica de nossas forças. (Mas) eu realmente penso que isto acontecerá mais tarde do que anteriormente estávamos supondo", disse.

"À medida que conduzimos operações contra a insurgência (...) nos lembramos que deve ser um processo feito com ponderação. Leva tempo para convencer as pessoas", disse.

Apesar de afirmar que o ritmo das operações em Candahar não será tão rápido como o esperado, McChrystal disse avaliar que o fato não é necessariamente negativo.

"Não acho que isto seja necessariamente ruim. Penso que é mais importante que façamos isto de maneira correta do que rápida", disse.

Controle Na avaliação da Otan, o controle de Candahar por parte das forças internacionais é fundamental para minar a força do Talebã no Afeganistão.

Mas, diferente da ação contra o Talebã na província de Helmand, que teve início com uma grande ofensiva militar, a campanha em Candahar traz uma ênfase maior nas negociações políticas.

A estratégia deve-se ao fato de líderes tribais da região que se reuniram com McChrystal e o presidente afegão, Hamid Karzai, em abril, terem afirmado que não estão preparados para uma grande ofensiva militar.

Na última quarta-feira, um aparente ataque suicida contra uma festa de casamento na Província de Candahar deixou pelo menos 40 mortos.

Embora o Talebã tenha negado envolvimento no ataque, informações dão conta de que muitos dos convidados tinham vínculos com a polícia e milícias que combatem o grupo islâmico.

Episódios de violência também estão sendo registrados na província de Helmand, onde a Otan afirma ter obtido êxito em suas operações.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host